Reeleito, Paulo Nobre afirma que Palmeiras não será rebaixado

Presidente eleito teve um primeiro mandato marcado por polêmicas no time paulista

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Paulo de Almeida Nobre, 46, advogado, foi reeleito para um mandato de dois anos como presidente do Palmeiras. Em sua primeira entrevista após a reeleição, Nobre afirmou que o Palmeiras não vai ser rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro.

"O Palmeiras não cai. E vai ter time para disputar títulos nos próximos anos", afirmou o dirigente. Nobre bateu Wlademir Pescarmona, 63, empresário, nas primeira eleições decididas por voto direto do associado na história do clube alviverde.

Apenas 4.080 pessoas compareceram ao clube, neste sábado (29), do universo de 10 mil aptos a votar. Nobre teve 2.421 votos, contra 1.611 de Pescarmona. Houve 4032 votos válidos.

"Estou emocionado. Trata-se de um momento histórico. Fui o último presidente eleito indiretamente, por votos dos conselheiros, e, agora, o primeiro a ser eleito diretamente", disse Nobre, após o resultado, na Academia de Futebol, CT do Palmeiras.

O presidente eleito deixou o clube antes do anúncio oficial, em direção à Academia de Futebol, centro de treinamento do Palmeiras, para acompanhar o jogo do Palmeiras contra o Internacional pelo Brasileiro, pela TV.

Nobre teve um primeiro mandato marcado por polêmicas. Tais como a negociação do atacante Barcos para o Grêmio, e de Alan Kardec para São Paulo.

O dirigente também recebeu críticas constantes por parte de torcedores uniformizados, com quem rompeu relações em abril de 2013.

No campo, o time também não foi bem durante a gestão de Nobre, e nesse momento briga para não ser rebaixado para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

Durante seu primeiro mandato, Nobre repassou, direta ou indiretamente, mais de R$ 120 milhões para o Palmeiras, por meio de empréstimos. O presidente reeleito vangloria-se de ter feito uma gestão austera na parte financeira, tendo sanado diversos pontos de evasão, segundo alega.

De acordo com o material de campanha divulgado por Nobre, o Palmeiras terá 95% de sua receita disponível para 2015. Em 2013 e 2014, Nobre disse ter contado com apenas 25% do orçamento para o exercício de 2013, e cerca de 70% para este ano.

O novo mandato de Nobre inicia-se em 15 de dezembro. Uma das primeiras medidas dele será a demissão de José Carlos Brunoro do cargo de diretor-executivo do Palmeiras. O presidente já se encontrou com candidatos à função, como Rodrigo Caetano, que se desligou do Vasco na última semana, Alexandre Mattos, atualmente no Cruzeiro, e Felipe Ximenes, ex-Flamengo.

PESCARMONA

O candidato derrotado à presidente do Palmeiras, Wlademir Pescarmona, concedeu uma breve entrevista coletiva, após o anúncio da vitória de Paulo Nobre nas urnas, neste sábado (29). O candidato reconheceu o resultado e disse esperar um mandato com menos erros por parte de Nobre.

"Eu não vejo um projeto de futuro no Paulo. Suas declarações são muito vagas. Mas, como palmeirense, espero que ele reconheça os próprios erros", disse.

Leia tudo sobre: paulo nobrereeleitoprometepalmeirasnaovaicair