Exército inicia investigações sobre morte de cabo no Rio

Policial integrava a Força de Pacificação e foi baleado na cabeça, no Complexo da Maré, zona norte do Rio

iG Minas Gerais | Da Redação |

O Exército instaurou um inquérito policial militar para apurar o assassinato do cabo Michel Augusto Mikami, 21, morto na sexta-feira (28), baleado na cabeça, no Complexo da Maré, zona norte do Rio. Ele integrava a Força de Pacificação que atua no conjunto de favelas.   A Polícia Civil do Rio informou que o caso não será alvo de inquérito da Delegacia de Homicídios, normalmente responsável por casos do tipo. O órgão informou que todas as investigações estão sob responsabilidade do Exército. O Complexo da Maré é uma área de Garantia de Lei e Ordem desde o início da ocupação, em abril, onde as Forças Armadas têm poder de polícia na região.   Em nota, o Ministério da Defesa afirmou que "o disparo provavelmente partiu de integrantes de facções criminosas que atuam no local". "As circunstâncias do crime, no entanto, ainda estão sendo apuradas", afirma a pasta. O corpo do cabo será transladado ainda este sábado (29) para o interior de São Paulo, onde será enterrado. De acordo com assessoria de imprensa da Força de Pacificação da Maré, faltam alguns trâmites burocráticos para ser encaminhado a São Paulo. Ele é natural em Vinhedo (SP) e servia no 28º Batalhão de Infantaria Leve, de Campinas. O Exército não informou data e local do enterro do militar. Mikami, que fazia parte da Força de Pacificação da região desde outubro, foi o primeiro militar morto durante uma ocupação das Forças Armadas em favelas do Rio.   O militar foi baleado na cabeça durante uma troca de tiros em uma ação de patrulhamento do Exército. Ele ainda foi socorrido na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e, em seguida, ao Hospital Central do Exército, mas não resistiu. Não houve registros de confrontos no Complexo da Maré neste sábado (29) até a publicação desta nota. O Exército informou que faz o patrulhamento habitual da região. ROCINHA No início da manhã deste sábado (29), policiais da Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha foram atacados a tiros por criminosos durante um patrulhamento na comunidade conhecida como Vila Verde, na zona sul do Rio de Janeiro. Segundo o comando das UPPs, após o ataque houve uma intensa troca de tiros e os criminosos fugiram. Não há informação de feridos.

Leia tudo sobre: cabobaleadocabeçaRioExércitoinquérito