Machões ilustram os tipos dos anos 70

Personagens movimentam a trama e mostram a forma de pensar da época

iG Minas Gerais |


Trestini é o campeão de machismo na trama com suas atitudes
Globo
Trestini é o campeão de machismo na trama com suas atitudes

São Paulo. Para os machões Artur (Gustavo Trestini), Fernando (Marco Ricca) e Elísio (Daniel Dantas), mulher não tem vez. Os tipos que se acham superiores têm movimentado o enredo de “Boogie Oogie” (Globo) com uma forma de pensar que foi característica dos homens anos 70, período retratado na novela. “Cabia ao homem mandar, e à mulher obedecer. Nessa época, ainda era muito forte a ideia de que lugar de mulher era na cozinha”, afirma Gustavo Trestini.

Na pele de Artur, o machista que mais tem incomodado o público, Trestini tem recebido alguns puxões de orelha das mulheres nas ruas. É que o vendedor não suporta o fato de ter a mulher, Célia (Thais de Campos), como sua chefe e sempre dá um jeito de humilhá-la. “Elas ficam indignadas pela maneira como Artur trata Célia. Algumas pediram para a minha mulher na vida real me ensinar como uma mulher deve ser tratada”, conta o ator, que elege o maior ato machista de Artur. “Foi quando ele devolveu a geladeira comprada por Célia. Aquela situação mostrou a violência da intolerância, que perverte a ideia de companheirismo. Artur abriu mão de tudo só para fazer prevalecer o seu poder sobre a mulher”.

E o que dizer de Elísio, que proíbe a mulher, Beatriz (Heloísa Périssé), de usar maquiagem e se vestir melhor? O fato de o militar ser tão conservador deu margem para que a dona de casa cometesse uma traição.

Estopim da troca de bebês que é a história central de “Boogie Oogie”, Fernando provoca muita confusão no elenco feminino e acaba sendo vítima do próprio estilo garanhão, já que sua mulher, Carlota (Giulia Gam), e suas ex-amantes, Susana (Alessandra Negrini) e Gilda (Letícia Spiller), sempre dão um jeito de atrapalhar sua vida. “Acho que Fernando tem um poder e provoca o fascínio nas mulheres. Isso faz com que elas briguem por seu amor”, diz Marco Ricca.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave