Salgante, sal sem sódio?

iG Minas Gerais | Dr. Telmo Diniz |

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou uma nova categoria de alimento. E foi batizado de salgante. Com a promessa de substituir o sal de cozinha, o produto salga as refeições, mas com 0% de sódio. Portanto, salgante não é sal, pois não tem sódio. É salgante, simples assim.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é recomendado o consumo de 2 g por dia, podendo chegar ao máximo de 5 g de sal, ou seja, do que contém o cloreto de sódio. Ao mesmo tempo, pesquisas apontam que o brasileiro consome mais do que o dobro desse limite. Isso por que temperos industrializados, caldos e cubos de carne, galinha e afins, sucos industrializados, energéticos etc são os alguns dos itens que possuem altas concentrações do mineral.

Como cerca de 20% da população é hipertensa, contando com mais de 44 milhões de brasileiros, são recomendadas as dietas hipossódicas. Portanto, o salgante vem como uma novidade bem-vinda para essa parcela da população. O produto foi testado por pesquisadores da Unifesp em ratos não-hipertensos e hipertensos. Após uma semana ingerindo salgante, ambos não apresentaram aumento na pressão arterial. Já após uma semana consumindo sal, o aumento na pressão foi significativo, demonstrando claramente que a presença do sódio na nossa dieta mexe diretamente com os níveis de tensão arterial.

Os grãos têm cor e textura de sal e servem para salgar os alimentos, mas a grande diferença está na composição: no lugar do sódio, entra o potássio. O mesmo já é comercializado há cerca uma década nos EUA e na Europa. No Brasil, recebeu aprovação este ano. A comercialização parece ocorrer, inicialmente, só pela internet. Em alguns meses, deverá estar no varejo. Um ponto que parece negativo será a adaptação ao gosto, pois como no sal light (tem 50% de sódio e 50% de potássio), deixa um gosto amargo residual na boca. A empresa que comercializa o produto defende que, “em testes duplos cegos”, o gosto foi plenamente adaptável e não houve necessidade de se aumentar a dose para salgar os alimentos. É aguardar para ver.

O preço tem também um inconveniente, não é acessível pra boa parte da população. Cem gramas do produto sai por R$ 16,90. Da mesma forma, não podemos sair usando este produto de qualquer forma. Existem contraindicações formais ao seu consumo a pessoas com problemas renais, ou que utilizam medicações poupadoras de potássio, ou qualquer outra condição clínica que possa elevar o potássio no sangue. Isso por que o potássio, se ingerido em excesso, pode ser fatal quando se tem problemas renais. Quando os rins não conseguem eliminar o mineral pelo urina, ele se acumula no sangue e pode provocar arritmias cardíacas. Portanto, devemos consultar o médico assistente antes do consumo.

Faça uma boa semana.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave