PF aponta ligação de ministro

Neri Geller teria envolvimento com apropriação de lotes da reforma agrária no Mato Grosso

iG Minas Gerais |

Investigações. Testemunhas ouvidas pela PF apontam o envolvimento do ministro da Agricultura no esquema de compra ilegal de lotes
[CREDITO]ELZA FIUZA/ABr
Investigações. Testemunhas ouvidas pela PF apontam o envolvimento do ministro da Agricultura no esquema de compra ilegal de lotes

BRASÍLIA. As investigações da operação Terra Prometida, sobre grilagem de terras destinadas à reforma agrária em Mato Grosso, podem complicar a situação do ministro da Agricultura, Neri Geller. Testemunhas ouvidas pela Polícia Federal (PF) e pelo Ministério Público Federal apontam o envolvimento do ministro com a apropriação de lotes que, pelo programa do governo federal, seriam destinados a agricultores sem-terra.

Trechos sobre os supostos vínculos do ministro com os desvios do programa já foram enviados ao Supremo Tribunal Federal (STF). Geller foi citado várias vezes ao longo da investigação.

A suspeita é que ele tenha favorecido a negociação ilegal de lotes e até se tornado proprietário de um deles. O programa do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) prevê a distribuição de 1.149 lotes de cem hectares. Hoje, cada um desses lotes está avaliado pelo mercado local em R$ 1 milhão.

Ao todo, a Justiça Federal decretou a prisão de 52 fazendeiros, empresários e servidores públicos acusados de se apropriarem de forma ilegal de lotes da reforma agrária nas imediações de Itanhangá (MT). Trata-se do segundo maior assentamento da reforma agrária na América Latina.

As investigações começaram em 2010, a partir de reportagens do “Jornal Nacional” sobre negociação de lotes da reforma agrária, o que é proibido por lei. O esquema, porém, ocorreria desde 1997. O centro do esquema são os municípios de Itanhangá e Lucas do Rio Verde (MT), cidade onde a família Geller tem fazendas. De acordo com as investigações da Polícia Federal, a família Geller é “poderosa, influente e rica”, sendo que os mais influentes são os irmãos Neri, Milton e Odair.

Negativa. O Ministério da Agricultura negou o envolvimento de Neri Geller. “O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento informa que o ministro Neri Geller não foi arrolado na operação Terra Prometida, deflagrada pela Polícia Federal. O ministro, que estava em missão internacional nos Emirados Árabes e retornou ao Brasil no final da tarde desta quinta-feira (27), lamenta a presença de familiares entre os investigados e diz não acreditar na participação dos mesmos em qualquer irregularidade. Geller afirma não possuir associação jurídica ou outro tipo de sociedade com os envolvidos no processo”, diz a nota.

No fim da tarde de quinta-feira, o ministro da Agricultura afirmou em nota oficial “não acreditar” na participação de seus dois irmãos em irregularidades e ressaltou que ele próprio não havia sido arrolado nas investigações da operação.

Operação

Números. Até o momento, foram expedidos 227 mandados judiciais: 52 de prisão preventiva, 146 de busca e apreensão, além de 29 medidas proibitivas. Desses, 40 mandados de prisão foram executados.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave