Donizete exalta amor pelo Galo e solta o verbo contra o Cruzeiro

Volante do Galo alfineta Dagoberto, tira sarro de Levir Culpi e diz que quer encerrar sua carreira no Atlético

iG Minas Gerais | THIAGO PRATA |

Esportes - Final Copa do Brasil 2014 - Jogo Cruzeiro x Atletico MG, no estadio Magalhaes Pinto Mineirao em Belo Horizonte MG. Na foto: Clima Antes do Jogo . Foto: Joao Godinho/O Tempo 26/11/2014Esportes - Final Copa do Brasil 2014 - Jogo Cruzeiro x Atletico MG, no estadio Magalhaes Pinto Mineirao em Belo Horizonte MG. Na foto: Clima Antes do Jogo . Foto: Joao Godinho/O Tempo 26/11/2014
Joao Godinho/O Temp
Esportes - Final Copa do Brasil 2014 - Jogo Cruzeiro x Atletico MG, no estadio Magalhaes Pinto Mineirao em Belo Horizonte MG. Na foto: Clima Antes do Jogo . Foto: Joao Godinho/O Tempo 26/11/2014Esportes - Final Copa do Brasil 2014 - Jogo Cruzeiro x Atletico MG, no estadio Magalhaes Pinto Mineirao em Belo Horizonte MG. Na foto: Clima Antes do Jogo . Foto: Joao Godinho/O Tempo 26/11/2014

Sinônimo de raça, o volante Leandro Donizete não leva desaforo para casa. Dentro de campo, se mostra um leão e não dá refresco ao adversário. Algumas vezes, a vontade acaba se excedendo, como foi no jogo decisivo da Copa do Brasil, contra o Cruzeiro, quando deu um tapa na cara de Dagoberto e acabou sendo expulso. Fora das quatro linhas, a alegria estampada no rosto do meio-campista alvinegro era evidente nesta quinta-feira, no dia seguinte da conquista do torneio nacional. E junto com a felicidade, um arsenal de frases de efeito, alguns desabafos e provocações até mesmo aos próprios companheiros de time.

Como foi a história com Dagoberto? “Ele é muito enjoado. Falou umas coisas que não gostei. Ele é folgado demais, na verdade. Me deu uma pancada nas costas, depois ficou correndo só. Falei que ia pegar ele mesmo. Fiquei com raiva na hora. Em clássico, você sabe como é pegado. Acabei pegando ele. Ele beliscou meu pescoço, dei um tapa na cara dele. Clássico é isso aí. E estou feliz pelo resultado”

Quem riu por último, riu melhor? Sempre. Na Copa do Brasil foi isso que aconteceu”

Está feliz da vida, então! “Não dormi ainda. Estou virado. Estou feliz pelo titulo. A equipe batalhou durante o ano, foi difícil demais. Ninguém deu nada pra gente. Estou feliz demais”

A final foi a etapa mais fácil da Copa do Brasil? “Clássico nunca é fácil. Mas foi mais fácil que contra os outros. Porque tivemos de inverter placares complicados contra Corinthians e Flamengo. E como estávamos focados, acabou sendo mais fácil contra o Cruzeiro. Não menosprezando o time deles, que é bicampeão brasileiro. Mas estávamos focados, sabíamos o ponto fraco deles, que estavam cansados, pois sempre vinham jogando com o time titular e a gente poupando o nosso. Acho que a gente mereceu”

Você se mostra um cara bem sincero. “Tem que ser, a gente queria falar mais coisas erradas. Falaram muita coisa errada da gente. Como o Goulart, fazendo piadinhas. Mas a gente segura. Tem a hora certa de falar. Agora tudo certo. Fomos campeões”

As provocações forma uma motivação a mais? “Sempre são . Mas estávamos focados em sermos campeões. E o titulo estava na mão. Deixamos eles (Cruzeiro) falarem, e lá dentro a gente foi muito forte. E graças a Deus, veio mais um titulo”

Houve a comemoração do Cruzeiro após o jogo, mesmo na comemoração do Atlético. O que vocês acharam disto? “O Brasileiro já passou. Era momento nosso. Mas vi que eles sentiram um pouquinho de inveja da gente. Girávamos o Mineirão e eles bateram de frente. Mas valeu a pena”

Este título foi mais importante que o da Libertadores, como o Tardelli disse? “Também acho. Tem a rivalidade, nunca aconteceu de dois mineiros estarem numa final de Copa do Brasil. Vai ser difícil acontecer de novo. Sair vencedor não tem preço. E o ano inteiro sem perder pra eles é maravilhoso. Um campeonato à parte. Não tem como falar que não rivalidade. Estou feliz demais”

Falando de futuro, fica no Galo em 2015? “Quero renovar, vamos conversar esta semana. Está mudando o presidente, vamos esperar isso. Minha história no Atlético não terminou. Quero mostrar muito ainda. Adoro a cidade, me adaptei aqui”

Quando o Levir ganhou a confiança de vocês? “Ele é brincalhão demais. Quando chegou, até brinquei: 'meu Deus, ele vai acabar com nosso time'. Mas entramos na brincadeira dele, ele sempre tira sarro da gente. Quando eu estava machucado ele disse: 'ainda bem que você tá machucado, se não vai acabar com meu time'. Um cara inteligente, sabe levar todo mundo, conversa, brinca. Chegou no Mineirão e disse pra gente brigar pra ser campeão, não é pra entrar e ver eles (Cruzeiro) jogarem. Era pra batalhar. Ontem (quarta-feira) tirei sarro demais dele, chamei ele de burro com sorte. Ele é parceiro demais. Um cara que vou levar sempre pra minha vida. Um cara bacana, diferente de trabalhar.

Foi naquela vitória por 3 a 2 sobre o Cruzeiro no Brasileiro que o time cresceu? “Ele chegou pra mim e disse que ia colocar um volante só e eu disse: 'como assim? Contra o Cruzeiro, o melhor time do Brasil? Meu Deus'. Eu disse que se os demais me ajudarem a marcar vai dar certo. Ia brigar ali pra sobrar bola pra eles, que têm qualidade (se referindo a Luan, Dátolo, Tardelli e Carlos). Juntou a turma e deu certo. Ali deu moral pra gente. E depois, só alegria”

Como é a relação com a molecada do Galo? “A gente tem que passar tranquilidade e deixá-los à vontade. A gente fala com eles também para, do lado de fora do campo, não sair bebendo, não fazer sacanagem, ter os pés no chão. A molecada sobe da base preparada. Tem qualidade também, ajudou a gente demais. Vieram e estão de parabéns. Esse é o caminho”

O Campeonato Brasileiro seria obsessão sua para o futuro? “Pra mim é. Fui campeão da Série B pelo Coritiba. E na Série A, escapou demais da gente (Atlético). Merecemos ser campeões. Mas em 2015, vamos fortes. Espero que mantenha o elenco. Temos um time muito forte, não tem briga entre nós. Se manter esse elenco por três ou quatro anos, vamos conquistar muita coisa boa pro Galo”

Você se vê vestindo outra camisa? “Não. Quero acertar com o Atlético. Se Deus quiser, quero ficar mais quatro ou cinco anos aqui. Quero encerrar aqui”

Ate lá você imagina ver o Pierre fazendo um gol pelo Atlético? “Esta difícil, mas tenho esperanças. A esperança é a ultima que morre”

Leia tudo sobre: AtleticoGaloCruzeiroRaposaDonizeteDagoberto