Projeto de segurança leva um ano e meio para ser implantado

Decisão inicial da Justiça foi dada em junho de 2013, com prazo de 120 dias para ser colocado em prática

iG Minas Gerais | Felipe Castanheira |

Decisão é do Tribunal de Justiça de Minas Gerais
CRISTIANO TRAD - 13.2.11
Decisão é do Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Quase um ano em meio depois de ser determinado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais, a feira Feira Hippie de Belo Horizonte passou  a contar com um Projeto de Segurança Contra Incêndio e Pânico (PSCIP), aprovado pelo Corpo de Bombeiro Militar de Minas Gerais.

A feira realizada nesse domingo (22) foi a primeira a contar com o plano de segurança, que era cobrado pelo Ministério Público, que em 2013 entrou com uma ação civil pública apontando falta de segurança no local. Em 14 de junho do ano passado a juíza da 6ª Vara Municipal de Belo Horizonte Luzia Divina de Paula Peixôto definiu que uma nova organização da Feira de Arte e Artesanato da Avenida Afonso Pena deveria ser estabelecida de acordo com o plano de segurança.

A sentença determinava prazos de 90 dias para implantação do PSCIP; 90 dias para obter o auto de vistoria final pelo Corpo de Bombeiros; 120 dias para formar a brigada de incêndio. O prazo inicial se esgotava em outubro de 2013, mas a prefeitura alegou que um impasse junto aos feirantes dificultava o cumprimento da sentença.

Com a implantação da medida a feira passou a contar com 20 bombeiros civis distribuídos em seis tendas ao longo de sua extensão. Cada uma delas com extintores de incêndio, kits de primeiros socorros e rádios comunicadores. Também foram afixadas placas de sinalização de rota de fuga.

Além destas medidas, uma ambulância com equipe médica fica a disposição dos comerciantes e visitantes.

A reportagem fez contato com a prefeitura de Belo Horizonte para obter esclarecimentos sobre o prazo de implantação do projeto de segurança, mas não obteve resposta até a publicação da notícia.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave