Para escapar da morte, homem diz ser policial, mas acaba executado

Crime aconteceu depois que o atirador afirmou que vítima queria tomar sua boca de fumo; no Jardim Felicidade, jovem foi assassinado com quatro tiros

iG Minas Gerais | CAROLINA CAETANO |

Um homem de 48 anos foi morto com um tiro no tórax, na madrugada desta quinta-feira (27), no bairro Palmeiras, na região Oeste de Belo Horizonte. Para tentar escapar da morte, a vítima disse ao atirar que era policial, mas, mesmo assim, foi assassinado.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, a companheira de Lúcio Alves dos Santos contou que o homem tinha o costume de buscá-la no ponto final da linha 1404 (Palmeiras / Alípio de Melo) por volta de 2h.

Porém, nesta quinta, o coletivo atrasou e, enquanto esperava a mulher, Santos teria discutido com um homem. Ele afirmou que a vítima queria tomar sua boca de fumo. Depois da briga, o suspeito foi embora.

A dona de casa chegou no ponto final por volta de 3h e, em uma estrada de terra a caminho de casa, o casal foi abordado pelo mesmo homem que voltou a acusar Santos. Ele pediu que o desafeto parasse e se identificou como policial.

Mesmo assim, o criminoso atirou uma vez contra o homem, que caiu no chão. O bandido ainda apontou a arma novamente para vítima, mas desistiu de atirar depois que viu que o rival estava morto. Após o crime, ele fugiu e não foi mais localizado. A companheira de Santos  afirmou aos militares do 5º Batalhão que não conhecia o atirador.

Jardim Felicidade

Também na madrugada, um jovem de 22 anos foi baleado quatro vezes na porta de casa, no bairro Jardim Felicidade, na região Norte da capital.

Wellington Thiago Ferreira Neiva foi socorrido pelos irmãos até o Hospital Risoleta Tolentino Neves, mas não resistiu aos ferimentos. Familiares contaram à polícia que o homem era usuário de drogas. Ninguém foi preso.

Os dois casos serão investigados pela Polícia Civil.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave