Delegado cruzeirense se irrita com festa rival e atira em prédio

Informação foi repassada por moradores da rua Carlos Alves, no bairro São Luiz, na região da Pampulha; PM e PC não confirmam informação

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

A comemoração de alguns torcedores do Atlético pela conquista da Copa do Brasil quase terminou em tragédia, na madrugada desta quinta-feira (27), no bairro São Luiz, na região da Pampulha, em Belo Horizonte. Um cruzeirense, que seria delegado da Polícia Civil (PC), teria se irritado com as provocações e efetuado alguns disparos contra o prédio onde acontecia uma festa.

Conforme uma moradora da rua Carlos Alves, que preferiu não ser identificada, o policial que torce para o Cruzeiro teria chegado em casa e foi zombado por rivais que faziam uma festa na cobertura de um edifício, localizado em frente à sua residência. "É um absurdo uma coisa dessas por causa de futebol. O problema é que é perigoso isso não dar em nada só por ele ser policial. Por isso resolvi procurar a imprensa", afirmou.

Ainda segundo a mulher,  a Polícia Militar (PM) foi acionada e está no local, inclusive recolhendo cápsulas que teriam saído da arma do delegado. "Além de tudo ele já tem um histórico violento aqui na rua. Já matou o cachorro de um vizinho com tiros porque não parava de latir, já atirou para o alto por causa de barulho, são muitos os casos", explicou a moradora. 

O TEMPO entrou em contato com uma outra moradora do prédio que foi alvo dos disparos. "É só coisa de futebol mesmo, rivalidade. Mas uma coisa é certa, esses atleticanos da cobertura estavam fazendo uma farra mesmo, mexendo com todos os cruzeirenses que passavam na rua, provocando mesmo lá de cima", argumentou a outra moradora. 

Sem registro

 

Até o fechamento desta reportagem a PM ainda não havia feito qualquer registro da confusão entre os torcedores e o delegado no bairro São Luiz. O plantão da Polícia Civil também foi procurado, porém, nenhuma das ligações feitas pela reportagem foram atendidas.

Leia tudo sobre: delegadofreitaspolícia civiltirosatiracoberturaprédiocarlos alvessão luizpampulha