Gêmeos se dividem com final histórica da Copa do Brasil

Gabriel e Henrique são iguais em quase tudo, mas desfrutam de uma sadia rivalidade no futebol

iG Minas Gerais | DIEGO COSTA |

ESPORTES . BELO HORIZONTE , MG

Especial Final da Copa do Brasil

Irmaos gemeos que torcem para times diferentes. Um e atleticano e o outro cruzeirense

NA FOTO: GABRIEL OLIVEIRA E HENRIQUE OLIVEIRA

FOTO: LINCON ZARBIETTI / O TEMPO / 21.11.2014
Lincon Zarbietti / O Tempo
ESPORTES . BELO HORIZONTE , MG Especial Final da Copa do Brasil Irmaos gemeos que torcem para times diferentes. Um e atleticano e o outro cruzeirense NA FOTO: GABRIEL OLIVEIRA E HENRIQUE OLIVEIRA FOTO: LINCON ZARBIETTI / O TEMPO / 21.11.2014

Desde os primeiros instantes de vida, antes mesmo de virem ao mundo, Gabriel e Henrique já estavam juntos. Irmãos gêmeos, os dois cresceram unidos. Atualmente, aos 24 anos, trabalham no mesmo local. E, em meio às semelhanças, a paixão pelo futebol é algo compartilhado por ambos. Mas é justamente quando a bola rola que o fanatismo entra em cena e divide os irmãos Oliveira. Tudo porque Gabriel é Galo, e Henrique é Cruzeiro.

Com a decisão da Copa do Brasil, a sadia rivalidade deles está ainda mais acirrada. "A gente mora junto, vive junto e passeamos juntos também. Só não namoramos juntos, é claro. Mas torcer é separado. Cada um para o seu canto", disse Gabriel. E assim será nesta quarta-feira. Vendedor, o atleticano contrariou o pai deles, que é cruzeirense. Já Henrique, administrador financeiro, optou pela Raposa. Os dois colecionam um clima amistoso de provocações fraternais. Moradores do Barreiro, em Belo Horizonte, as cores de seus respectivos clubes servem para diferenciá-los nas ruas. Mas eles já passaram por situações inusitadas. “Teve um amigo do Henrique que brigou comigo achando que era ele. Os dois iam ao Mineirão, em jogos do Cruzeiro, e o cara achou que meu irmão tinha virado atleticano, pois eu estava com a camisa do Galo. Ele me parou, queria bater em mim. Eu disse que nem o conhecia, mas ele insistia. Quase me bateu. Começou a me xingar. Depois que passou um tempo, mostramos fotos nossas para ele, explicaram que somos gêmeos, e o amigo dele ficou muito sem graça", contou Gabriel. Sobre a finalíssima do torneio nacional, os irmãos gêmeos também não entram em um acordo.

“O Cruzeiro ganhou o Brasileirão, mas tem que ganhar do Atlético também, na Copa do Brasil. Não podemos dar esse gostinho para eles. Vão ganhar em cima ‘da gente’, é questão de honra. Tem que fechar o ano com a Tríplice Coroa”, disse o insaciável Henrique Oliveira.

Já Gabriel acredita que o título da Copa do Brasil tem de ser Galo.

“O Cruzeiro já é campeão brasileiro. Então, cada um fica com um título. Ele (Henrique) quer tudo. Mas o Galo não vai deixar essa Tríplice Coroa. Ninguém mais do que a gente quer ganhar este título (Copa do Brasil)”, concluiu Gabriel. O freguês e o Garçom

Quando Atlético e Cruzeiro se enfrentam, sempre vem a história de freguês. Cada lado tem seus argumentos para ‘atestar’ a supremacia sobre o outro. Apresentam números, goleadas, fatos históricos. Mas no caso de Gabriel e Henrique, o lado vencedor é que ficará com a freguesia. Isso porque os dois fizeram uma aposta para a final da Copa do Brasil.

“Quem for campeão, escolhe um lugar para jantar. A gente  deve ir  a uma churrascaria. O que perder, vai virar o garçom, vai servir o outro. Vamos colocar a faixa do time vencedor também no local”, explicou Henrique.

E apesar da vantagem de 2 a 0 do primeiro jogo da decisão para o Galo, Gabriel prega cautela para a segunda partida.

“Atleticano é ‘pés no chão’. Eu sei que o Galo está com uma vantagem boa, mas a gente sabe que o Cruzeiro pode reverter. A experiência do Galo mostra isso, como foi na Libertadores e Copa do Brasil. Eu estou tranquilo. Mas o Henrique que está mais ansioso”, comentou o torcedor alvinegro.

Leia tudo sobre: AtléticoCruzeiromegaclássicogêmeosCopa do Brasildecisão