Suíça coloca condições para devolução de dinheiro desviado por Costa

Para receber o dinheiro de volta, o Brasil terá de dar garantias de que os recursos não retornarão ao suspeito e nem a outras empresas ou pessoas, ficando exclusivamente para o Estado

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A Justiça suíça coloca condições para a devolução de mais de US$ 23 milhões que estão congelados desde abril em cinco contas na Suíça em nome do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa. O dinheiro e os operadores do esquema da Petrobras são investigados por lavagem de dinheiro pelo Ministério Público do país europeu.

Para receber o dinheiro de volta, o Brasil terá de dar garantias de que os recursos não retornarão ao suspeito e nem a outras empresas ou pessoas, ficando exclusivamente para o Estado. As informações foram publicadas nesta quarta-feira (26) no jornal "O Estado de S. Paulo".

De acordo com a reportagem, uma delegação de procuradores brasileiros que trabalham na Operação Lava Jato viajaram nesta semana para Lusanne, para revisar documentos e movimentações bancárias colhidas pela Justiça suíça. As leis do país diz que recursos bloqueados só serão enviados ao país de de origem caso a Justiça que o investiga condene o suspeito em última instância.

A investigação suíça por lavagem de dinheiro pode resultar em cinco anos de prisão ao brasileiro. O país quer a garantia de que, apesar do acordo com Costa, ele não se beneficiará de nenhuma parte da fortuna. Além disso, o Ministério Público suíço quer, acima de tudo, uma confirmação de que apenas o Estado brasileiro vai administrar a fortuna.  

Leia tudo sobre: devoluçãodinheiropretrobrasdesviooperaçãolava jatoPaulo Roberto CostaBrasilEconomiaSuíçaMundoPolítica