Dona de grife e pronta para mais um disco

Cantora monta a sua primeira grife, “Brocal”, e começa a produzir o terceiro disco em janeiro do ano que vem

iG Minas Gerais | LUCAS SIMÕES |

Negócio. Além de roupas, Tulipa quer vender canecas e outros objetos feitos com seus desenhos
Rodrigo Schmidt
Negócio. Além de roupas, Tulipa quer vender canecas e outros objetos feitos com seus desenhos

Para quem se diz “não ser só da música”, Tulipa Ruiz tem mostrado uma versatilidade urgente e madura ao expandir os horizontes mesmo com apenas quatro anos de carreira. Entre parcerias com Lulu Santos, Kassin, Criolo, Tatá Aeroplano, Léo Cavalcanti, Anelis Assumpção e muitas outras efervescências da música brasileira contemporânea, a artista, que prepara o terceiro disco para ser lançado em 2015, recentemente divulgou sua nova empreitada: a marca de roupas Brocal, inspirada em uma série de desenhos que ela faz há mais de 15 anos – vários deles publicados no endereço www.ateliedatulipa.tumblr.com.

A ideia surgiu do próprio processo criativo de Tulipa, que sempre mesclou seus desenhos com suas composições. “Eu desenhava tentando externar coisas que não cabiam nas canções. Fazia um processo de troca entre as criações que me deixava até confusa, às vezes. E queria acabar com isso. Compor e desenhar como coisas separadas”, conta.

O nome da grife é inspirado na canção “Brocal Dourado” e nos tempos em que ela levava camisetas customizadas artesanalmente (“muitas com brocal”, diz aos risos) para venda nos shows. “O problema é que eu percebi demandas que eu não podia atender. Às vezes eu levava 50 camisas e tinham mais de 200 pedidos em um show apenas. Era surreal. Além disso, eu queria fazer algo mais bem feito, com corte mais bonito, malha melhor, enfim. Agora consegui concretizar um sonho e também liberar minha arte gráfica, que antes ficava presa na música ou vice-versa”, diz.

Em pouco menos de três meses de existência, a Brocal vende pela internet um universo de camisas de malha, regatas, moletons e vestidos: tudo com estampas de variados desenhos da artista. A ideia de Tulipa, que também desenha para publicações jornalísticas avulsas do país e da Europa, é abrir uma loja física em São Paulo até o fim do ano que vem. “Vai ser uma tremenda correria ser empresária, cantora, compositora e desenhista ao mesmo tempo, mas eu tenho energia de sobra e são coisas que completam umas às outras na minha criação artística”, diz a artista.

DISCO. Mesmo envolvida com a divulgação da grife e fazendo uma média de 15 shows por mês pelo Brasil, Tulipa Ruiz prepara o terceiro álbum da carreira, a ser lançado até o fim de 2015. Compondo ela diz que sempre está, mas o que foi escrito até agora para o novo álbum, a cantora e compositora deixa suspenso em interrogações no ar, dizendo aos risos que “não faz ideia do que irá para o estúdio”.

O que pode sugerir uma certa displicência com a própria produção musical vem dos ensinamentos do pai, o guitarrista Luiz Chagas, que toca em sua banda de apoio. “Meu pai sempre me alertou: termina um trabalho, depois começa outro. Desde o meu primeiro disco eu faço isso, seguindo essa máxima à risca. Então, só quando eu descer do palco no último show de ‘Tudo Tanto’, vou começar a produzir um terceiro disco, possivelmente a partir de janeiro, já que não consigo ficar parada por muito tempo”, diz.

Sem mencionar parcerias ou por qual sonoridade ela tem se atraído mais, Tulipa garante que seu irmão Gustavo Ruiz estará à frente mais uma vez da produção de seu próximo álbum de inéditas, com novos elementos eletrônicos. “O que posso dizer é que será diferente de tudo o que eu fiz. É claro que vai ter batida eletrônica, que é meu fio de ligação hoje em dia com a música. Mas vou surpreender”, garante.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave