Mutirão para resolver inquéritos não solucionados contra mulheres

No Dia Mundial de Combate à Violência Contra a Mulher, a Polícia Civil divulgou que 2 mil casos, de 70 mil não resolvidos, já foram finalizados pelo projeto, que começou no dia 25 de agosto deste ano

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Lei Maria da Penha, que completa hoje três anos, estimulou
denúncias
PEDRO SILVEIRA
Lei Maria da Penha, que completa hoje três anos, estimulou denúncias

Foi anunciado nesta terça-feira (25), Dia Mundial de Combate à Violência Contra a Mulher, que a Polícia Civil (PC) elaborou um mutirão para agilizar as investigações de cerca de 70 mil processos envolvendo mulheres e que estavam paralisados. 

Conforme a instituição, o projeto está em andamento desde o dia 25 de agosto deste ano com o objetivo de concluir no menor espaço de tempo possível os inquéritos que estão sem resolutividade. Para isso, todo o Departamento de Investigação, Orientação e Proteção à Família, do qual faz parte a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, está empenhado.

O departamento conta ainda com o auxílio de efetivo e apoio logístico de outras unidades policiais para solucionar os crimes contra as mulheres. A delegada Tânia Darc, que chefia o departamento, explicou que ainda não foi feito um levantamento exato, mas que aproximadamente 2 mil inquéritos já foram solucionados desde o início do mutirão. 

Performance

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, em cada três mulheres no mundo, uma já foi violentada de alguma forma pelo companheiro. Com o objetivo de chamar atenção para o problema da violência contra a mulher, a artista plástica Beth Moysés trará nesta terça-feira a performance "Reconstruindo Sonhos", que foi realizada pela primeira vez no dia 25 de novembro de 2000, em São Paulo e, desde então, já passou por várias cidades do país, chegando até ao Uruguai e Espanha.

A partir das 18h30, 60 mulheres vestidas de noiva sairão pela Savassi, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, e farão uma encenação fazendo referência à violência doméstica. Toda a performance será fotografada e filmada, sendo que o material será exposto na Galeria Murilo de Castro, na rua Antônio de Albuquerque, 377, no bairro Funcionários.