Juiz deve liberar R$ 4 milhões bloqueados na conta de executivo preso

Sérgio Moro afirmou que vai liberar o excesso das demais contas do vice-presidente da Engevix, Gerson Almada, após transferir mais de R$ 20 milhões para uma conta da Justiça Federal

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Juiz Federal determinou que as contas de 16 investigados fossem bloqueadas na semana passada
Gil Ferreira/Agência CNJ/Divulgação
Juiz Federal determinou que as contas de 16 investigados fossem bloqueadas na semana passada

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, deve desbloquear R$ 4 milhões, depositados em contas do vice-presidente da Engevix, Gerson Almada, preso pela PF. Em despacho, divulgado nesta terça-feira (25), Moro afirmou que vai liberar o excesso das demais contas do investigado, após transferir mais de R$ 20 milhões para uma conta da Justiça Federal.

Na semana passada, o juiz determinou que as contas de 16 investigados fossem bloqueadas. Na última segunda-feira (24), a defesa do vice-presidente da Engevix, Gerson Almada, alegou que somente em uma conta, no banco BNP Paribas, onde estão depositados mais de R$ 22 milhões, deve continuar bloqueada. Segundo os advogados, o limite determinado foi R$ 20 milhões e como o valor foi alcançado em apenas uma das contas, as outras cinco, com depósitos que somam R$ 4 milhões, devem ser liberadas.

Foram bloqueados R$ 47 milhões nas contas dos investigados. Após rastreamento, a medida foi cumprida parcialmente pela falta de saldo. Todos os valores encontrados foram transferidos para uma conta da Justiça Federal na Caixa Econômica Federal. As contas de Valdir Lima Carreiro, presidente da empresa Iesa, e de Erton Medeiros Fonseca, diretor-presidente da Divisão de Engenharia Industrial da Galvão Engenharia, estão zeradas.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave