Pianista brasileiro faz sua estreia em Mozart com a Filarmônica

Orquestra mineira convida de volta o premiado solista Cristian Budu para concerto desta terça à noite

iG Minas Gerais | Daniel Oliveira |


Cristian Budu retorna a Minas após vencer concurso internacional
Julio Acevedo
Cristian Budu retorna a Minas após vencer concurso internacional

A volta de Cristian Budu como solista convidado da Orquestra Filarmônica na noite desta terça, no Grande Teatro do Palácio das Artes, é mais uma prova de que a segunda vez é mesmo sempre melhor. Depois de se apresentar com o grupo no Sesc Palladium em agosto do ano passado, o pianista brasileiro retorna para tocar o tradicional “Concerto para Piano nº 9”, de Mozart – e com uma bagagem de respeito.

“Desde a última vez, minha carreira desenvolveu bastante”, admite Budu. Grande parte desse impulso veio da sua vitória no respeitado Concurso Internacional de Piano Clara Haskil, na Suíça – considerada pela crítica nacional como a mais importante premiação concedida a um pianista brasileiro nos últimos 20 anos.

“Já tinha uma carreira e me apresentava antes, mas em escala bem menor. Com o concurso, chamei a atenção internacionalmente e os convites passaram a vir em alto escalão”, revela o músico. Mas mesmo cobiçado por orquestras na Alemanha e nos EUA, Budu garante que o convite da Filarmônica de Minas era irrecusável por ter sido uma das melhores orquestras com quem ele já tocou.

“Foi uma relação muito agradável, e acho que eles gostaram tanto quanto eu e, quando abriu uma vaga, me chamaram de novo”, brinca. A apresentação desta terça também tem um sabor especial para o pianista por se tratar da primeira vez que ele interpretará uma obra de Mozart em público.

“É um concerto de muita conversa entre piano e orquestra. E mesmo escrito por um Mozart adolescente, com 17 anos, tem uma profundidade muito grande e uma energia muito características dele, e já tem um peso e um movimento, com muitos improvisos no piano e muitas cadências que você só encontra em obras dele mais para frente”, analisa.

Antes da performance de Budu, porém, a Filarmônica abre a noite com a “Suíte de Danças Reais e Imaginárias”, do brasileiro André Mehmari. O encerramento da apresentação fica por conta da “Sinfonia nº 2” do russo Alexander Borodin.

Já Cristian Budu seguirá sua rotina dividida entre Europa, América do Norte e Brasil. Depois da apresentação com a Filarmônica, ele faz uma turnê pelos Sescs em São Paulo. Segue para Boston, onde se apresenta na Harvard Music Association e no Museum of Fine Arts. “E, para março do ano que vem, já tenho uma apresentação com a Sinfônica de Stuttgart”, adianta.

Agenda

O que. Orquestra Filarmônica de Minas Gerais – Série Vivace

Quando. Nesta terça, às 20h30

Onde. Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1.537, centro)

Quanto. R$ 36 a R$ 70 (inteira)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave