Irã e potências devem prolongar negociação nuclear, dizem diplomatas

Países discutem um acordo sob o qual as sanções contra o Irã seriam gradualmente suspensas, enquanto o país controlaria seu programa nuclear

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O Irã e seis potências mundiais devem prolongar negociações sobre a questão nuclear, nesta segunda-feira (24), e retomá-las no mês que vem, possivelmente em Omã, uma vez que a última rodada de diálogos não resultou em nenhum acordo, disseram diplomatas.

A última rodada de negociações começou na última terça (18) e deveria terminar nesta segunda --prazo final para o acordo. Os detalhes sobre o adiamento e a retomada das negociações ainda estavam sendo discutidos. "Algum progresso foi feito", disse um diplomata envolvido nas negociações. "Mas precisamos discutir algumas questões com os nossas governos. Vamos nos encontrar novamente antes do ano novo. Este é um processo contínuo."

O Irã, China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha discutem um acordo sob o qual as sanções contra o Irã seriam gradualmente suspensas, enquanto o país controlaria seu programa nuclear.

As potências temem que o programa nuclear do Irã seja usado para construção de uma bomba nuclear, enquanto Teerã afirma que o objetivo é geração de energia.

O secretário de Estado doa EUA, John Kerry, e o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarf, se encontram nesta segunda, em Viena, a poucas horas do fim do prazo.

O ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, viajou para Viena durante a noite. Yi disse ter propostas para os desentendimentos entre o Irã e os ocidentais.

Segundo o jornal britânico "Guardian", os ministros das Relações Exteriores de todos os países envolvidos nas negociações com o Irã devem se reunir para coordenar uma posição final comum.

Depois, se unirão a Zarif para uma sessão plenária em que decidirão se as conversas serão ampliadas ou se haverá ao menos um acordo político que serviria como um comunicado da intenção de alcançar um acordo nas próximas semanas.

Leia tudo sobre: ReuniãoCúpulaPotênciasEnergia NuclearAcordoMundoNegociaçãoDiplomacia