Último dia da Bienal do Livro de Minas agita o Expominas

Carolina Munhóz, Raphael Draccon, Bruna Vieira, Carina Rissi, Cristovão Tezza, Luís Henrique Pellandra, Edney Silvestre e Miriam Leitão foram os destaques do evento neste sábado (22)

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Magazine - Belo Horizonte - MG

Abertura da 4a edicao da Bienal do Livro de Minas Gerais que acontece no Expominas . Os gemeos Artur e Pedro , 10 anos , escolhem livros que mais gostam .

Foto: NIDIN SANCHES / O Tempo / 2014 . 11 . 14
NIDIN SANCHES / O TEMPO
Magazine - Belo Horizonte - MG Abertura da 4a edicao da Bienal do Livro de Minas Gerais que acontece no Expominas . Os gemeos Artur e Pedro , 10 anos , escolhem livros que mais gostam . Foto: NIDIN SANCHES / O Tempo / 2014 . 11 . 14
Quem não visitou a 4º Bienal do Livro de Minas ainda tem uma oportunidade para conferir as atrações do evento, que se despede de Belo Horizonte neste domingo (23). Os escritores Pedro Bandeira e Pedro Gabriel são os convidados do Conexão Jovem. O Minas de Histórias e a Bienal em Quadrinhos também oferecem diversão para toda a família, com contações de histórias, debates e sessões de autógrafos, das 10h às 22h.   Penúltimo dia do evento. Interação e diversidade deram o tom da Bienal do Livro de Minas neste sábado (22). A programação contou com várias atividades para os pequenos, além de encontros com grandes nomes da literatura nacional. A movimentação no Expominas começou logo cedo, com a participação do casal de escritores Carolina Munhóz e Raphael Draccon. No Conexão Jovem, eles conversaram com os fãs sobre sua trajetória no mundo dos livros. “No colégio, aos 11 anos, eu era gótica, por isso sofria muito com as brincadeiras dos colegas. Então, eu me escondia na biblioteca. Até que certo dia uma amiga me desafiou a ler um livro em uma semana. Foi quando conheci a história do Harry Potter”, contou Carolina, que é fã do bruxinho.   Draccon, que teve uma infância humilde em uma comunidade no Rio de Janeiro, creditou seu gosto pela escrita e pelos filmes a dois ídolos: o avó e Bruce Lee. “Meu avó, que era projetista de cinema, entre outras atividades, e passava filmes para mim até meus seis anos. Quando ele faleceu, eu precisava de outro ídolo, foi quando conheci o Bruce Lee e prometi que iria ser tudo que ele era: escritor, faixa-preta e trabalhar com cinema”, lembrou.   Outro fenômeno do mercado editorial, a escritora e blogueira, Bruna Vieira participou de um animado bate-papo com os leitores. Sobre como realizar o sonho de ser escritora, Bruna deu a dica: “Se você já tem um público na internet fica um pouco mais fácil de conseguir uma editora. Foi assim comigo, mas demorou um tempo. Portanto, a internet está aí e o blog é de graça, você pode usar para se expressar”, aconselhou.   O Conexão Jovem também recebeu a escritora Carina Rissi, que ficou satisfeita com o carinho do público.  “A Bienal do Livro de Minas é um evento muito especial. É muito bacana ver a empolgação dos leitores, que combinam de vir juntos, é um barato! Acho que o mais importante, em um evento como este, é chamar a atenção dos adolescentes para os livros, para que eles possam descobrir o grande prazer da leitura”, afirmou.   A Bienal em Quadrinhos aproximou os quadrinistas dos fãs do estilo, que puderam acompanhar um duelo entre autores, oficinas sobre como construir uma tirinha e um bate-papo super divertido com o ex-Casseta & Planeta Reinaldo Figueiredo, falando sobre seu trabalho como cartunista. Ao final do encontro, ele também autografou seu livro.   Café Literário. “Dois curitibanos falando sobre literatura na terra dos cronistas, isso é complicado”, brincou o escritor Cristóvão Tezza sobre a participação dele e do escritor Luiz Henrique Pellanda no Café Literário de hoje. “Tudo pode ser assunto na crônica. Não há nenhum tema que não seja suficientemente bom para se transformar em uma crônica. Sempre que você escreve uma crônica, os leitores identificam imediatamente qual o seu ponto de vista, bem diferente de um romance ou ficção”, definiu Tezza. As características brasileiras da crônica, a internet e o processo de cada um para escrever foram alguns dos principais temas do bate-papo. “O que eu tento fazer é mostrar nas crônicas um aspecto dela. Não quero que o leitor se identifique comigo, mas sim com o personagem que eu estou falando na crônica”, ressalta.   Na última sessão do dia, nosso Café  lotou para  receber os jornalistas e escritores Miriam Leitão e Edney Silvestre. A história do século XX na literatura brasileira foi o tema da última sessão deste ano. Eles falaram sobre como o passado da ditadura militar reflete no trabalho deles como escritores. “Assim que eu tratei da ditadura como ficção, eu me libertei. Depois disso eu vi que estava preparada para falar da minha própria história. Eu escrevi um trecho do meu livro, sobre a solidão, chorando”, declarou emocionada Miriam Leitão. Edney completou: “Não se constrói um país melhor se não fizermos uma revisão do que aconteceu no passado. Se não assumirmos que matamos, torturamos, como vamos fazer um país melhor?”.     AGENDA
  • IV Bienal do Livro de Minas Gerais 2014
  •  
  • Data: 14 a 23 de Novembro de 2014
  • Horário: das 10h às 22h
  • Local: Expominas | Avenida Amazonas, 6.030 - Gameleira
  •  
  • Site: www.bienaldolivrominas.com.br 
  • Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave