Encontros com ídolos e histórias para contar

iG Minas Gerais |

Muito além de fazer performances, ter um visual parecido com os ídolos e interpretar clássicos do rock jurássico, alguns covers querem uma oportunidade para, quem sabe, chegar mais perto do artista favorito. O vocalista da banda Cia. Supertramp, Marcos Temponi, conseguiu mais do que entrar no camarim do maior ídolo, Roger Hodgson, em 2012. Em vez de apenas aproveitar alguns minutos para conversar com o ex-vocalista do Supertramp sozinho, ele teve uma ideia bem louca.

“Quando soube que ele iria nos receber em Belo Horizonte, eu e a banda entramos cantando ‘Had a Dream’ à capela, com a porta do camarim semi-aberta. Quando ele viu nossa cara, se emocionou demais. Depois, autografou meu violão e chegou a mencionar nossa banda no meio de um show na Europa”, conta.

Apesar de não ter tido contato com David Gilmour, seu maior ídolo, o vocalista e guitarrista da banda Ummagumma, um dos principais covers de Pink Floyd do país, tem história para contar para os netos. Durante um show nos EUA há quatro anos, algum norte-americano plantou a ideia de que Gilmour estaria na plateia – mas ninguém confirmou. “Teve esse zum zum zum no fim do show, de que ele tinha visto a gente, aplaudido e ido embora antes da terceira música. Mas essa história é tão surreal, que guardo como lenda, apesar de saber que é improvável”, diz. (LS)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave