Marcos Rocha vê Atlético atual parecido com o time de Cuca

Com tanta imposição técnica ante os rivais, a equipe tem encontrado liberdade até mesmo para buscar lances de efeito

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Para Marcos Rocha, jogos do Atlético no Brasileirão servem de treino para o Mundial
BRUNO CANTINI/ATLÉTICO
Para Marcos Rocha, jogos do Atlético no Brasileirão servem de treino para o Mundial

O Atlético vive uma excelente fase. Contra o Flamengo, na quarta-feira, a equipe pode mostrar todo o seu arsenal de jogadas, um futebol solidário que chamou atenção pela mobilidade e qualidade técnica apresentada durante os 90 minutos. Com autoridade, a equipe colocou o Fla "na roda" e aplicou uma goleada por 4 a 0, resultado este que poderia ser mais elástico.

A performance logo trouxe à mente do torcedor comparações com as melhores atuações do Galo na Libertadores do ano passado, período em que o clube atravessou uma fase iluminada tecnicamente sob o comando de Cuca. Mas as semelhanças não ficaram apenas restritas nos comentários da torcida ou analistas. Para o lateral-direito Marcos Rocha, o time atual possui características que se aproximam daquele período vitorioso.

"Foi parecido com o time do Cuca. Contra o Flamengo, a equipe se manteve ofensiva, jogando junto, tocando e buscando o contra-ataque. Bastante parecido com o trabalho do Cuca. Levir dá liberdade para atacar, mas pede para posicionar bem atrás”, destacou.

Com tanta imposição técnica ante os rivais, a equipe tem encontrado liberdade até mesmo para buscar lances de efeito, fruto da confiança gerada partida a partida.

“Nossa equipe tem qualidade, e a partir do momento que há confiança no clube e nas partidas há também a liberdade para jogar com mais classe. Contra o Flamengo, o Rafael (Carioca) deu chapéu e arriscou uma jogada individual. É um grupo que joga há mais de três e sabe como jogar. Vem dando resultado. Quando não dá para jogar bonito, sabemos jogar feio também", concluiu Marcos Rocha.

Leia tudo sobre: futebol nacionalatléticogalolibertadorescucamarcos rocha