Projeto atuará de forma conjunta com modelo existente

iG Minas Gerais |

Atualmente, Belo Horizonte tem quatro equipes do programa Consultório de Rua, voltado exclusivamente para a questão da saúde com foco no tratamento da dependência química. Os agentes atuam nas regionais Noroeste, Oeste, Norte, Centro-Sul e Leste da capital. A partir do ano que vem, esse projeto e as unidades móveis dos Centros de Referência Especializados da Assistência Social (Creas) vão atuar conjuntamente.

Claudenice Lopes, educadora social da Comissão Pastoral de Rua, definiu como positiva a expansão das políticas públicas voltadas aos moradores que estão nessa situação, mas alerta para a possibilidade de haver uma falha de coordenação entre as duas ações.

“A nossa preocupação é se vai haver uma interação entre as duas equipes, para que não haja abordagens distintas competindo entre si. Não basta ter apenas um atendimento voltado para uma área. É preciso fazer a articulação de forma integrada com todas as políticas. Não basta fazer a assistência social, tem que viabilizar soluções para a falta de habitação e geração de renda dessas pessoas”, explicou.

A gerente de inserção especial da Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social, Robélia Ursine, afirmou que cada estudo vai apontar uma forma de atendimento, que pode ser direcionado para outras áreas de atuação. “A ação vai ser em conjunto. Se identificarmos a necessidade de tratamento de saúde, vamos encaminhar para o Consultório de Rua, da mesma forma, há previsão de encaminhamento para qualificação profissional”, disse. (BM)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave