Empresa pode ficar sem prazo de captar

iG Minas Gerais |

São Paulo. Sem publicar o balanço do terceiro trimestre, a Petrobras corre o risco de perder a principal janela do mercado de dívida externa, em janeiro, que ela tradicionalmente acessa para realizar sua captação mais importante do ano.

Para que isso não aconteça, é possível que a estatal tenha de aceitar as ressalvas dos auditores nas demonstrações do terceiro trimestre – contabilizando o efeito das denúncias de desvios que vêm sendo investigados na Operação Lava Jato.

Além disso, pode ter de negociar com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e com a Securities and Exchange Commission (SEC), dos Estados Unidos, um prazo para ajustar os números e, no limite, se esse prazo superar o exigido em obrigações contratuais (“covenants”) de dívida local e externa, sentar à mesa com credores, segundo profissionais do mercado. Pelas regras norte-americanas, o prazo para se utilizar esse balanço nas captações termina em meados de fevereiro – 135 dias após o fim do terceiro trimestre.

O diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, disse que a empresa tem recursos suficientes para seis meses sem captação.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave