Combinação de nome e senha não garante mais a segurança

Combinação de palavra-chave com biometria pode ser o caminho

iG Minas Gerais | Molly Wood |

Minh Uong/The New York Times
undefined

A combinação de nome de usuário e senha é o mecanismo de segurança padrão para contas online, mas só esse método não funciona mais. O número de casos de apropriação de dados, praticado por hackers em busca de informações pessoais, aumentou consideravelmente. E os consumidores apontam o roubo de identidade como sua preocupação online número um por 14 anos consecutivos, de acordo com a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos.

Às vezes, a infraestrutura de segurança existente não consegue nos proteger, como quando nossos dados pessoais são armazenados em bancos de dados vulneráveis. Mas, muitas vezes, somos nosso pior inimigo. Nossas senhas fracas facilitam sua quebra pelos hackers; usamos as mesmas senhas para vários sites, oferecendo uma espécie de chave-mestra a pessoas mal intencionadas. E mesmo quando ficamos sabendo de violações de dados, não tomamos a atitude de alterar nossas senhas.

A realidade é que as senhas não irão nos abandonar tão cedo – e, por isso, foram criadas algumas ferramentas novas e interessantes para ajudar a tornar nosso mundo virtual um pouco mais seguro. As tecnologias mais ambiciosas e promissoras estão chegando ao reino da biometria – ou seja, usando alguma parte do nosso corpo, como voz, impressão digital, reconhecimento facial ou leitura da íris.

Os sistemas de segurança biométrica são uma promessa de longa data – e começaram a virar realidade nos últimos anos, tornando-se populares de verdade após a introdução do leitor de impressão digital no iPhone, no ano passado.

Agora, os usuários mais recentes podem desbloquear seus aparelhos, autorizar compras do iTunes e outros aplicativos e ainda pagar em algumas lojas apenas com um toque de dedo no celular. O telefone lê impressões digitais da pessoa e aprova o pagamento.

“Antigamente havia um sensor de digitais conectado via USB caríssimo; agora ele já faz parte do seu iPhone”, disse Hector Hoyos, executivo da Hoyos Labs, start-up de segurança biométrica. A empresa de Hoyos vai lançar nos próximos dias o 1U, um aplicativo que usa reconhecimento facial para acessar várias conta a partir de US$ 30 por ano, valor esse que pode subir dependendo de quantos sites e dispositivos você conecte a ele.

O aplicativo não substitui totalmente as senhas; para usá-lo, é preciso primeiro entrar em cada serviço online – como sua conta bancária, e-mail ou Facebook – através dele. Quando quiser entrar em um desses serviços no futuro, você visita o site através do 1U, que irá escanear seu rosto com a câmera do seu telefone. Se a verificação for bem-sucedida, o aplicativo garante o acesso, como se você tivesse digitado a senha.

Não é necessário lembrar suas senhas ao utilizá-lo, por isso não é preciso definir uma combinação única e sofisticada para cada serviço. Além disso, o 1U permite que você estipule vários níveis de segurança para contas diferentes. Pode optar pelo escaneamento do seu rosto para uma conta, por exemplo, e, para outra, uma checagem completa, o que irá forçá-lo a mexer os olhos e sorrir para logar.

Combinação. Outras companhias estão seguindo um caminho semelhante: produzir complementos biométricos que funcionem com sistemas de senha existentes e tentar convencer o setor a fazer uma mudança em massa. A EyeLock, uma startup em Nova York, acaba de lançar o Myris, um leitor de íris que se conecta via USB e que custa US$ 280.

A íris é um identificador humano único, pois não há duas iguais. Anthony Antolino, diretor de marketing da EyeLock, disse que a empresa estava trabalhando com o Bank of America e já instalou sua tecnologia de leitura de íris em alguns dos edifícios do banco. Como o aplicativo 1U, ele não substitui suas senhas, só a necessidade de inseri-las ao acessar um site ou usar o computador.

 

Flash

Futuro. Brett Beranek, diretor de estratégia de produto para biometria de voz da Nuance Communications, diz que os consumidores começarão a encontrar algum tipo de sistema biométrico nos próximos anos.

O que ainda não está claro, porém, é se haverá um método preferencial de autenticação biométrica: impressão digital, leitura de íris, reconhecimento de voz ou autenticação facial.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave