Sambas de uma alegria só

iG Minas Gerais | Giselle Ferreira |

 Miele
Divulgação
Miele

A alegria é a melhor coisa que existe”, cantava Vinicius de Moraes (1913-1980) em “Samba da Bênção”. Dois versos depois, no entanto, ele desdizia o que disse antes para lançar a tese de que “um samba com beleza” requer “bocado de tristeza”. A faceta feliz e solar do carioca, no entanto, é a que dá o tom ao tributo em formato de musical que Célia, Jane Duboc e Miele prestam a ele.

Com a estreia nacional de “É Melhor Ser Alegre que Ser Triste” acontecendo no próximo sábado (29), no Sesc Palladium, Célia dá uma justificativa plausível para que o público mineiro seja o primeiro a ver a apresentação: “é só porque a gente ama pão de queijo”.    A intérprete, que foi amiga e parceira de cantorias de Vinicius, ainda afirma ter sido “fantástica” a ideia de Fernando Cardoso – responsável pela concepção, roteiro e direção geral da montagem – de reunir três amigos para cantar a obra do Poetinha.   “Essa proposta de nos juntar foi agarrada por nós três com unhas e dentes. A gente se adora. O Miele sabe coisas maravilhosas de Vinicius e nós juntamos as poesias e canções dele com algumas histórias – inclusive sobre as canções que ele escrevia, os encontros que marcava na banheira de sua casa e sobre a mania dele de diminutivos. Cantar as coisas de Vinicius é muito fácil, de tão prazeroso”, conta Célia, explicando em poucas palavras o enredo do musical. Miele lança mão de sua memória afiada para recontar casos e recitar versos do poeta e as cantoras pontuam com versões de algumas das eternas bossas.    Em cenário que faz referência aos calçadões das praias cariocas, o repertório contempla canções como “Eu Sei Que Vou Te Amar”, “Pela Luz dos Olhos Teus”, “Samba da Bênção”, “Escravo da Alegria”, “Água de Beber” e “Onde Anda Você”, perpassando pelas inúmeras parcerias que marcaram as quatro décadas de carreira de Vinicius.   Lançamento Célia tem dividido seus dias entre shows-homenagens a Aracy de Almeida e ao poeta Cássio Junqueira e as gravações de um disco em que pretende moldar um retrato musical da cidade de São Paulo. Para tanto, regravará canções que traduzem a maior cidade brasileira. As versões “Crua” (Otto) e “Dois Rios” (Lô Borges/Nando Reis/Samuel Rosa) já estão prontas. Caetano, Tom Zé, Gil, Criolo, Joyce, Ivan Lins e Zeca Baleiro completam a lista dos compositores do novo trabalho.   É Melhor Ser Alegre Que Ser Triste  Dir. Fernando Cardoso.  Com Célia, Jane Duboc e Miele. Sesc Palladium (r. Rio de Janeiro, 1.046, centro, 3270-8100 ). Dia 29(sábado, às 21h, e domingo (30), às 19h. A partir de R$ 50 (inteira). 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave