Em busca do Eldorado Musical

iG Minas Gerais | Bárbara França |

Como nas ruas de Nova Orleans, Mustache e os Apaches traz seu estilo Jug Band a BH
ALLYSON ALAPONT/DIVULGAÇÃO
Como nas ruas de Nova Orleans, Mustache e os Apaches traz seu estilo Jug Band a BH

Eldorado, aquele lugar repleto de ouro, tão procurado pela humanidade e tão presente no imaginário coletivo, não está assim tão longe. Para ser mais preciso, está a 22 minutos da estação Central de Belo Horizonte. Esse é o tempo estimado que o público vai ficar dentro dos vagões do metrô até o palco da Estação Oficina, um dos espaços em que receberá o BH Music Station. A sétima edição do evento acontece na madrugada do próximo sábado (29) em algumas estações do metrô e em um antigo galpão localizado na zona oeste da região metropolitana. O desembarque é na estação Eldorado, talvez um lugar não tão reluzente quanto seu homônimo, mas cheio de achados da música contemporânea brasileira. 

“O trem deixa o pessoal na porta do evento. É um local bem bacana, rústico, muito charmoso”, comenta o produtor Gegê Lara, convidando o público a embarcar no trem em uma direção diferente à que o Music Station está acostumado percorrer. Nas edições anteriores, as atrações e o público se locomoviam da estação Central à Vilarinho, na zona norte da capital. Mas dessa vez, combinando com a proposta do evento, que, segundo Lara, sempre foi a variação musical, eles resolveram variar também o rumo.    A saga com destino ao, não velho, mas “novo oeste”, aliás, confere ao evento ainda mais essa cara de desbravamento. E a produção brinca com isso, uma vez que toda a arte gráfica do festival, bem como muitas das escolhas do casting, têm uma pegada folk, meio faroeste mesmo.   É o caso de Mustache e os Apaches, uma banda formada por cinco músicos naturais do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais que fizeram carreira nas ruas de São Paulo. Inspirados pelas Jug Bands, grupos norte-americanos geralmente de jazz e blues que utilizam instrumentos improvisados, os meninos contam com banjo, bandolim e até uma “washboard”, antiga tábua de lavar roupa capaz de fazer boa música.   Lumineiro, um mineiro de BH, é o responsável pelo excêntrico instrumento, construído pelo amigo Mauro Lauro Paulo, um multi-instrumentista do Sul que também estará no Music Station circulando entre as estações. Mustache e os Apaches se apresenta dentro da oficina, mas, segundo Lumineiro, o show, mesmo plugado, vai transmitir a irreverência e espontaneidade de quando tocam de forma acústica nas ruas. “É muito alto-astral e dançante! Vamos tocar músicas do primeiro álbum e apresentar os novos singles ‘Chuva Ácida’ e ‘Todo Trem’”, garante.    Amarante Outro destaque da programação da Estação Oficina é o ex-Los Hermanos Rodrigo Amarante. Morando em Los Angeles, ele volta ao Brasil para apresentar seu disco solo “Cavalo” no palco principal. “Também citaria a Orquestra Imperial, que tocará no palco principal, e o Lendário Chucrobillyman, um cara sensacional, uma monobanda, que se apresenta na Estação Central”, enfatiza Gegê Lara.   E como a ênfase do evento não é tanto só a chegada, mas o percurso, os vagões do metrô também estarão cheios de atrações da cidade. São as chamadas atrações móveis, das quais fazem parte Brascubazz, Briga de Galo, Minimalista, Iconili, Madame Rrose Sélavy e outras.   BH Music Station Estação Central (Praça da Estação, centro, entrada obrigatória). Dia 29 (sábado) às 23h30. R$100 (inteira – primeiro lote). (31) 4003.1212 e (31) 4003.2051. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave