Camponesa-Minas é facilmente batido pelo Sesi-SP

Equipe mineira jogou mal e somou a quarta derrota em quatro jogos na Superliga

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Minas teve muito trabalho para superar bloqueio paulistano
LUCAS DANTAS - DIVULGAÇÃO SESI
Minas teve muito trabalho para superar bloqueio paulistano

Sob os olhares da ponta Jaqueline, sua mais nova contratada, o Camponesa-Minas bem que tentou, mas não foi páreo para o forte Sesi-SP na noite desta sexta-feira, em São Paulo, pela Superliga feminina. A equipe da casa, uma das favoritas ao título, fez bem seu papel e venceu as mineiras por 3 a 0 (25/19, 25/12 e 25/14). A levantadora do Sesi, Carol Albuquerque, foi eleita a melhor em quadra. "Nosso time está de parabéns, jogamos e sacamos bem. Soubemos a hora de forçar e jogar a bola pro outro lado", comenta Carol.  Com o resultado, o Minas segue sem vencer na competição após quatro jogos. Já o Sesi mantém a invencibilidade em três apresentações. "A falta de entrosamento existe, mas não pode servir de desculpa. Já estamos no quarto jogo. Estamos tentando melhorar a cada treino, procurando um melhor ritmo. Algumas peças ainda estão chegando, a exemplo da Jaqueline, e precisamos ter um melhor rendimento contra os times grandes", aponta a central Walewska, do Minas.  A torcida de Jaque, que esteve ao lado do marido Murilo, não foi suficiente para as visitantes. O passe não se encontrava e a levantadora Camila Torquette tinha dificuldades para distribuir as jogadas. A marcação do Sesi-SP foi boa, mas os vários erros cometidos pelas comandadas do técnico Marco Queiroga pesaram no resultado final.

Somente no primeiro set, foram oito pontos dados de graça para as paulistas. O time de São Paulo errou pouco e administrou a vantagem que foi aberta aos poucos.

No segundo set, o equilíbrio apareceu somente no começo da etapa. Não demorou para o Minas volta a errar em sequência, tirando a paciência de Queiroga, que foi forçado a pedir tempo e mostrar toda sua indignação com o rendimento da sua equipe.

O Minas pouco exigia do Sesi-SP, que ficava cada vez mais confortável em quadra. O passe quebrado e a parte ofensiva longe do ideal deixavam tudo mais complicado. Mari Paraíba em raras oportunidades conseguiu superar o paredão adversário, comandado pela central Fabiana, capitã da seleção brasileira.

Ju Nogueira, que até o momento parece ter ganhado a posição de Lia, também teve dificuldades pela saída de rede. Já o Sesi-SP rodava sem grandes dificuldades, vendo um Minas sem muita reação do outro lado.

No terceiro set, Queiroga colocou Lia e Jordane, sacando Mari Paraíba e Camila Torquette, buscando algo diferente. O time continuou inconstante, começando bem e caindo muito de rendimento ao longo da etapa. O Sesi-SP, mais consistente, manteve o ritmo que foi impresso desde o começo, merecendo a vitória em sets diretos.

Agora, o Minas tentará sua primeira vitória, dentro de casa, contra uma pedreira. Na terça-feira, a equipe encara o Rexona-Ades-RJ, de Bernardinho, outro favorito ao título.