China Azul prepara recepção para o Cruzeiro, mas é driblada em Confins

Apenas o goleiro Fábio e o volante Willian Farias saíram pelo portão de desembarque, gerando frustração nos torcedores

iG Minas Gerais | BRUNO TRINDADE |

Esporte -  Confins - MG

Torcedores do Cruzeiro recepcionam o time no Aeroporto Internacional de Confins apos vitoria contra o Gremio no Rio Grande do Sul . O Clube mineiro pode ser tetra campeao brasileiro na proxima rodada em casa diante do Goias .

Foto: Nidin Sanches / O Tempo - 21.11.2014
NIDIN SANCHES / O TEMPO
Esporte - Confins - MG Torcedores do Cruzeiro recepcionam o time no Aeroporto Internacional de Confins apos vitoria contra o Gremio no Rio Grande do Sul . O Clube mineiro pode ser tetra campeao brasileiro na proxima rodada em casa diante do Goias . Foto: Nidin Sanches / O Tempo - 21.11.2014

O diretor de futebol do Cruzeiro, Alexandre Mattos, convocou a torcida para recepcionar o time no aeroporto, após a vitória contra o Grêmio, e ela atendeu. Cerca de 500 cruzeirenses invadiram o terminal aéreo de Confins, na tarde desta sexta-feira, com uma bela festa para recepcionar o time do Cruzeiro. Bandeiras, tambores, camisas, buzinas e muito barulho, além de duas réplicas das taças do Campeonato Brasileiro eram carregados pela China Azul para festejar a chegada dos atletas e a campanha da equipe na temporada. Porém, o que era pra ser uma tarde de grande festa terminou em frustração.

Os jogadores driblaram a torcida, não deram as caras e saíram por uma saída alternativa. Quando as pessoas presentes no terminal rodoviário perceberam a estratégia, os jogadores já estavam no ônibus ou já tinham ido embora. Apenas o goleiro Fábio e o volante Willian Farias saíram pelo portão de desembarque. Mesmo assim, eles estavam rodeados por um batalhão de seguranças e foi impossível, tanto para a imprensa quanto para os cruzeirenses, entrevistarem a dupla ou terem um contato mais próximo.

Os aficionados celestes lamentaram o fato de a própria diretoria convocar e depois que a torcida estava presente, evitar o contato com os jogadores. “Fica a frustração. Eles pediram pra gente vir e incentivar e eles acabaram saindo pelos fundos. Não tem nada a ver”, declarou o operador de guindaste Walter de Jesus Souza, 42.

A analista fiscal Daniela Melo, 33, veio preparada para chegar perto dos ídolos, mas voltou para casa insatisfeita com a atitude do time. “Eu trouxe câmera, caneta, cachecol, bandeira. Tudo que podia trazer eu trouxe para tirar foto e pegar autógrafos, mas não vi ninguém. Fiquei triste com isso, porque ele (Alexandre Mattos) convocou e a gente só viu os seguranças”, lamentou.

Antes do time “enganar” os torcedores, os cruzeirenses faziam muito barulho e ressaltavam a importância de comparecer ao aeroporto para apoiar o elenco celeste. “O mais importante de estar aqui no aeroporto hoje é poder passar uma energia boa para os jogadores pelas decisões de domingo e quarta-feira”, declarou o empresário Carlos Eduardo Silva, 25.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposatorcidaconfins