Marcos Rocha lamenta redução de carga para a torcida atleticana

Com a decisão desta quinta, lateral-direito afirma que responsabilidade do Atlético aumenta na finalíssima

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Marcos Rocha pôde apenas observar seu substituto em ação e torcer para que seus companheiros saíssem de campo com o triunfo
BRUNO CANTINI/ATLÉTICO
Marcos Rocha pôde apenas observar seu substituto em ação e torcer para que seus companheiros saíssem de campo com o triunfo

Dentro de campo, Atlético e Cruzeiro seguem treinando duro para o clássico da próxima quarta-feira, mas os bastidores da grande decisão da Copa do Brasil seguem agitados. Os jogadores não estão alheios a isto. Nesta quarta-feira, a Polícia Militar decidiu reduzir a carga de ingressos para a torcida atleticana de 2.736 para 1.854. O número ainda pode cair para 923.

 

A notícia pegou o lateral alvinegro Marcos Rocha de surpresa. Apesar de se mostrar bastante tranquilo e habituado com clássicos de torcida única, o jogador vê a ausência de torcedores das duas maiores forças do estado como um grande retrocesso.

"Para nós, jogadores, não interfere em nada. São mais de dois anos que estamos jogando com torcida única. O futebol mineiro perdeu muito com isto", diz o jogador, que cobra soluções para a resolução da polêmica.

"Sem a presença de nossos torcedores, nossa responsabilidade aumenta porque tem milhões do lado fora passando aquela energia positiva. O futebol mineiro perde. A marginalidade acabou tirando pessoas de bem do estádio. Temos que procurar soluções para as torcidas voltarem aos estádios”, concluiu. 

Leia tudo sobre: AtléticoGalofutebolCopa do BrasilmegaclássicoCruzeiroMineirãofinaldecisão