Sem mudança, o investimento para

Ele lembrou que o governo abriu mão de R$ 76 bilhões em arrecadação devido às desonerações de itens de 56 setores da economia. “Isso, evidentemente, coloca o problema do superávit”

iG Minas Gerais |

BRASÍLIA. O ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, afirmou ontem que, caso o Congresso não aprove a flexibilização da meta fiscal, os investimentos serão suspensos em 2015, o que levará o país à recessão e ao desemprego. Ele disse que, no ano que vem, o país precisará não apenas realizar um ajuste fiscal, mas também melhorar a eficiência do Estado e encontrar parcerias que ampliem os investimentos privados.  

“Se o Congresso não construir essa flexibilização (da meta fiscal), o que nos resta é parar os investimentos e entregar o superávit que vai nos jogar num quadro de recessão e desemprego. As empresas não pagariam o 13º, se o Estado parasse de repassar recursos para as obras”, afirmou Mercadante, na abertura da reunião sobre propostas da indústria para a competitividade, no Palácio do Planalto.

Ele lembrou que o governo abriu mão de R$ 76 bilhões em arrecadação devido às desonerações de itens de 56 setores da economia. “Isso, evidentemente, coloca o problema do superávit”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave