Um tributo à noite dos bailes

Yamandu Costa e Guto Wertti lançam o novo disco “Bailongo”, hoje à noite, no Cine Theatro Brasil Vallourec

iG Minas Gerais | Carlos Andrei Siquara |

Boemia. Músicos apresentam um panorama das canções que identificam como representativas dos festejos que atravessam a madrugada
Dani Remiao
Boemia. Músicos apresentam um panorama das canções que identificam como representativas dos festejos que atravessam a madrugada

Amigos de infância, Yamandu Costa e Guto Wertti compartilham vários gostos e histórias em comum. Uma delas é a forma como se conheceram. Filhos de músicos que tocavam em bandas de bailes, eles se encontravam na estrada e afinaram a partir dali a amizade que mantém até o presente. Marcado por essas memórias, o terceiro disco em que trabalham juntos, “Bailongo”, revive o clima daquelas festas e baseia o show de lançamento desse CD, a ser apresentado por eles hoje no Cine Theatro Brasil Vallourec.

“O repertório que a gente toca segue a linha dos bailes. Ele é bem aleatório e tem aquele roteiro que oscila entre um música mais lenta e outra mais enérgica”, sintetiza Guto Wertti. Se a inspiração para produzirem esse projeto vem das populares celebrações que os instrumentistas conheceram quando criança no Sul do Brasil, ele frisa, porém, que tanto no disco quanto no show não há apenas canções baseadas em ritmos encontrados na região gaúcha.

“Nós abrimos o show, inclusive, com ‘Forró de Gala’, de Jacob do Bandolim. É uma música engraçada, parece com aquelas tipicamente gaúchas, como as milongas, mas é apenas uma percepção, não vai muito além disso. Há um apanhado de composições nossas que tocamos juntas com as de outros compositores brasileiros, como Lupicínio Rodrigues, Villa-Lobos. O show funciona, assim, como um tributo aos bailes, sejam eles do Sul, de qualquer outra parte do Brasil ou do mundo”, diz Wertti.

Em relação a Villa-Lobos, ele detalha que vão interpretar, especialmente, as obras “Schottish-Choro” e a “Mazurka-Choro”. A ideia, de acordo com ele, é aproximar novamente essas criações das referências popular que estão presentes em suas origens. “Nós sempre ouvimos essas composições serem tocadas de uma forma muito erudita. Agora, vamos mostrá-las com uma roupagem mais popular, o que é bastante adequado porque se você observar a ‘Schotissh-Choro’, por exemplo, é um xote e a ‘Mazurk-Choro’ é uma valsa. Então, as duas, na verdade, tem toda a pinta do tipo de festa que estamos homenageando”, pontua o compositor e instrumentista.

Além desses nomes, eles interpretam também as peças “La Pompe/Toublant Bolero”, do belga Django Reinhardt, e “Porro nº 5”, do colombiano Gentil Montaña.

“Eles são outras duas personalidades que têm a ver com essa história que a gente quer mostrar. Durante as nossas viagens, que já foram muitas pelo mundo, eu e Yamandu percebemos como há diferentes versões dessa festa popular que chamamos de baile. A música diversa que reúne uma comunidade de dança num mesmo lugar é algo que encontramos aqui e em várias outras praças”, explica.

O violonista Yamandu Costa acrescenta que, em torno dessas escolhas, o interesse maior foi o de reunir canções representativas dessa vertente boêmia. “Independentemente de onde vem alguma tradição que estamos mostrando, o que mais importa é o olhar para essa música que é feita na madrugada. Por esse motivo ela pode ter sido criada tanto na Macedônia quanto no Paraguai, para a gente não importa. O foco é naquilo que tem um pouco daquela alma cigana”, resume.

Ele recorda que o processo de criação do álbum começou em 2007, após ele e Guto passarem por Viena, durante uma turnê. Lá, compraram um baixolão, espécie de violão de quatro cordas com o qual começaram a compor as canções recentes.

“Nós fizemos as músicas na estrada mesmo. Foi durante aquela viagem pela Europa que surgiu o roteiro que mostramos nesse show”, afirma o artista.

Agenda

O quê. Yamandu Costa e Guto Wertti lançam o disco “Bailongo”

Quando. Hoje, às 21h

Onde. Grande Teatro do Cine Theatro Brasil Vallourec (rua Carijós, 258, centro)

Ingressos. R$ 30 (inteira ) e R$ 15 (meia)

Saiba mais

Parceiros de longa data, Yamandu Costa e Guto Wertti já lançaram outros dois CDs, além do novo “Bailongo”. O primeiro deles foi “Lida” (2007), em que Wertti toca o baixo acústico. O segundo, “Continente” (2013), é uma homenagem ao primeiro capítulo de “O Tempo E O Vento” de Érico Veríssimo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave