Para Gerdau, operação Lava Jato pode afetar investimentos no país

Para ele, a estatal deverá trilhar um caminho para recuperar a sua credibilidade para poder fazer os investimentos necessários para os próximos anos

iG Minas Gerais | Folhapress |

O empresário e presidente da Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade, Jorge Gerdau, afirmou nesta quarta-feira (19) que as prisões dos presidentes e executivos das maiores empreiteiras do país, envolvidos com esquema de corrupção na Petrobras, podem afetar os investimentos no país.

Para ele, a estatal deverá trilhar um caminho para recuperar a sua credibilidade para poder fazer os investimentos necessários para os próximos anos.

"As coisas têm que andar bem. Você não pode ter os problemas que estamos tendo que eventualmente afetem em maior ou menor escala a empresa. Para se ter plena eficiência você tem que trabalhar procurando não ter problemas e nós, no momento, temos um problema que tem que ser vencido. Uma empresa como a Petrobras precisa se recuperar para exercer seus grandes desafios de investimento que fazem parte da estratégia global do país", afirmou.

Gerdau foi membro do Conselho de Administração da Petrobras na época em que os desvios aconteceram. Questionado sobre o por quê de o órgão não ter tomado conhecimento sobre o que acontecia na empresa na época, ele afirmou apenas que o conselho era responsável por tomar decisões em nível mais amplo e que a corrupção aconteceu entre os executivos.

"O Conselho faz definições de 'policies' (o que seriam as políticas de administração da empresa). E esses processos aconteceram dentro do executivo", disse. Gerdau foi membro do conselho por 13 anos. Ele deixou o cargo em fevereiro deste ano.

O empresário participou na manhã desta quarta do evento, realizado no Palácio do Planalto, que deu início às atividades dos grupos de trabalho no âmbito do governo, compostos por membros de ministérios e do setor privado, que vão apresentar, até o começo de dezembro, propostas para incrementar a produtividade e a competitividade da indústria brasileira.

Leia tudo sobre: Petrobras