CPI quebra sigilos bancário e telefônicos de João Vaccari Neto

CPI mista da Petrobras decidiu também, convocar Nestor Cerveró, acusado de participar do esquema de corrupção na estatal, a participar de uma acareação com Paulo Roberto Costa

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A CPI mista da Petrobras aprovou nesta terça-feira a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. Na mesma reunião, o colegiado decidiu convocar o atual diretor de Abastecimento da Petrobras, Renato Duque, preso pela Polícia Federal na sexta-feira (14), suspeito de receber propina de empresários. Também terão de comparecer ao colegiado o presidente licenciado da Transpetro, Sérgio Machado; e dois ex-diretores da Petrobras: Ildo Sauer (Gás e Energia) e Nestor Cerveró (Internacional), que já esteve na comissão.

Cerveró, acusado pelo ex-diretor de Abastecimento da companhia Paulo Roberto Costa e pelo doleiro Alberto Yousseff de participar do esquema de corrupção na estatal, terá dois compromissos com a CPI. Além de um novo depoimento, ele precisará participar de uma acareação com Paulo Roberto Costa, como determina outro requerimento aprovado pelos parlamentares.

O senador Wellington Dias (PT-PI) trabalhou para tentar convencer os colegas a não expor as informações referentes a Vaccari, argumentando que o tesoureiro do seu partido não havia sido preso nem indiciado. Sem sucesso. Parte da base aliada presente à reunião, como o deputado Lucio Vieira Lima (PMDB-BA) e Enio Bacci (PDT-RS), votou pela quebra dos sigilos do dirigente petista.

Leia tudo sobre: CrimeEconomiaBrasilPolíticaCPITesoureiroPTJoão Vaccari NetoNestor Cerveróinvestigação