PF investiga se propina virou doação legal para campanha, diz jornal

Só a Camargo Corrêa doou R$ 44 milhões às campanhas eleitorais deste ano; além disso, procuradores afirmam que a empreiteira já esteve envolvida em suspeitas de crimes contra a administração pública na Operação Castelo de Areia

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal investigam se o dinheiro destinado a pagar propina a políticos tenha se transformado em doações legais na campanha de 2014. A suspeita é que a doação formal, declarada ao Tribunal Superior Eleitoral (TRE) na última eleição, possa ter sido transformada em "estratégia de lavagem de capitais". As informações são do jornal "O Globo".

Segundo o MPF, só a Camargo Corrêa doou R$ 44 milhões às campanhas eleitorais deste ano. Além disso, procuradores afirmam que a empreiteira já esteve envolvida em suspeitas de crimes contra a administração pública na Operação Castelo de Areia. A empreiteira informou a reportagem que o valor doado seria cerca de R$ 35 milhões e que elas foram feitas apenas aos partidos e não à campanhas.

Durante investigação, o MPF decretou a prisão preventiva de Adarico Negromante Filho, irmão do ex-ministro Mário Negromante, que segue foragido. Adarico trabalhava pra o doleiro, Alberto Youssef e seria o responsável por entregar dinheiro aos políticos.