Executivos da Camargo Corrêa manterão silêncio em depoimento na PF

Advogado da empreiteira disse que os executivos estão dispostos a colaborar com as investigações desde que tenham acesso aos depoimentos de delação premiada em que são acusados de pagar propina

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O advogado Celso Vilardi, que representa dois executivos da empreiteira Camargo Corrêa presos na Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), disse que eles ficarão em silêncio nos depoimentos previstos para esta quarta-feira (19), na PF. Segundo ele, Dalton Avancini, diretor-presidente e João Ricardo Auler, presidente do Conselho de Adminstração, estão dispostos a colaborar com as investigações desde que tenham acesso aos depoimentos de delação premiada em que são acusados por outros investigados de pagar propina para obter contratos com a Petrobras.

Villardi ressaltou que a prisão preventiva dos dois investigados foi decretada, terça-feira (18), sem nenhum elemento novo na investigação e de forma antecipada. "Os meus clientes colaborarão com as investigações após a defesa ter ciência de todos os termos, é o mínimo que se exige do Estado Democrático de Direito", disse.

Nesta manhã, também deve prestar depoimento Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, que se entregou nessa terça-feira à PF após permanecer foragido desde sexta-feira (14), quando as prisões foram decretadas.

Em depoimentos de delação premiada, ele foi citado pelo doleiro Alberto Youssef como o arrecadador de propina do suposto esquema para o PMDB. O partido nega as acusações e destaca que Soares não tem ligações com a legenda. A PF confirma que ainda não concluiu se ele atuou, de fato, como lobista. As oitivas ocorrem na Superintendência da PF de Curitiba.