Revelações e recuperações

iG Minas Gerais |

undefined

O grande avanço no futebol é a capacidade de grandes equipes de atacar e de defender em bloco, com técnica e velocidade, sem deixar muitos espaços entre os setores. A seleção, com Dunga, está mais compacta do que na Copa. Hoje, apenas o goleiro, os zagueiros e o centroavante atuam em pequenos espaços. Mesmo assim, alguns goleiros, seguindo o modelo de Neuer, fazem bem a cobertura dos defensores. É importante também ter zagueiros com bons passes, o que é raríssimo nos times brasileiros. Quando os volantes são marcados, é necessário que o zagueiro avance com a bola para iniciar as jogadas, em vez de dar chutões. Centroavantes fixos, que só finalizam e que só jogam bem se fizerem gols, estão sem prestígio nos maiores times. Os atletas atuam no limite físico. Por isso, a necessidade de poupar jogadores e de ter métodos científicos mais exatos, para detectar os que estão mais cansados e com mais riscos de contusões musculares. A estrutura dos grandes clubes brasileiros e a qualidade dos profissionais que trabalham nas comissões técnicas, juntos aos treinadores, são tão boas ou melhores que as dos grandes clubes europeus. É mais uma contradição brasileira, pois, nesses clubes da Europa, estão os melhores jogadores do mundo, e o Brasil é um país mais pobre. Estamos entre as dez maiores economias do mundo, e metade de nossas casas não tem rede de esgoto, uma vergonha. Tenho ainda a impressão que, na média, o nível dos treinadores brasileiros está aquém à dos outros profissionais que trabalham nas comissões técnicas. Amanhã, Grêmio e Cruzeiro se enfrentam. Felipão está muito bem. O 7 a 1 foi muito mais marcante, revelador e importante para renovar e recuperar o técnico que mil cursos nas melhores faculdades do mundo. Na vitória por 2 a 1 sobre a Áustria, o Brasil, contra uma defesa organizada e sem espaço para o contra-ataque, como gostam os rápidos meias brasileiros, criou pouquíssimas chances de gol. O jovem estreante Roberto Firmino entrou e fez um golaço. A inabilidade com as palavras, a afetividade, a simploriedade e a fragilidade emocional de Thiago Silva, na função de capitão, na Copa, não podem ser transportados para a avaliação de seu futebol. Ele é o melhor zagueiro brasileiro. Quem demonstrou instabilidade emocional, no Mundial, foi David Luís, contra Alemanha e Holanda. A seleção mostrou muitas deficiências na Copa, mas é óbvio que 7 a 1 foi um exagero, um desastre. Com as seis vitórias de Dunga, já começaram a colocar a culpa do fracasso na Copa em Felipão ou a dizer que foi só um apagão. Se vencer outros amistosos, a turma do oba-oba, já empolgada, vai falar que continuamos com o melhor futebol do mundo e que Marín é até simpático. E a maioria vai concordar.

Exageros Achei exagerada a conduta do Atlético de escalar todos os reservas (menos Victor) contra Palmeiras e Figueirense. Bastaria poupar os jogadores que estivessem mais cansados. A vitória contra o Palmeiras, fora de casa, foi surpreendente. O Atlético achou que ganharia também do Figueirense, empatou e perdeu uma ótima chance de ficar entre os quatro primeiros. Não há nenhuma certeza de que o Atlético será campeão da Copa do Brasil e, com os reservas, terá pouquíssimas chances de conseguir a vaga na Libertadores pelo Campeonato Brasileiro. Faltam apenas poucas rodadas. O Atlético, como o Cruzeiro, tem de fazer um grande esforço nesta reta final, nas duas competições.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave