Avacoelhada

iG Minas Gerais |

Embora o principal objetivo das categorias de base seja promover jogadores qualificados para o profissional, conquistar títulos em cima de um dos rivais é bastante prazeroso. Depois de o sub-20 ter conquistado a Taça BH, ao vencer o Atlético por 3 a 2, o Coelhãozinho sub-17 também venceu o Galinho (2 a 1 no primeiro jogo e 1 a 0 no segundo) e conquistou o título mineiro do juvenil. O ataque americano foi o melhor da competição, com 50 gols marcados. O zagueiro artilheiro Victor Carvalho e Joelson foram os goleadores. Os juniores começaram a preparação para disputar a Copa São Paulo de 2015. Depois dessa disputa, a fim de acelerar a transição, os atletas nascidos em 95 deveriam começar o aprimoramento físico com a equipe principal. Pelo menos três sub-20, em processo de rodízio, estarem entre os 23 relacionados para os jogos em casa.

A voz da Massa

Saudações alvinegras! Confirmando a minha previsão, Levir escala força máxima contra o Flamenguinho hoje. Mas nem é preciso ser adivinho para saber que ele faria isso. Alguns jogadores estavam precisando de descanso, porém, não dá para ficar muito tempo sem jogar, pois isso pode prejudicar o ritmo de jogo. Como falta uma semana para a final da Copa do Brasil, esta é a hora de usar o time principal. Também porque o empate com o Figueirense foi lamentável e torna obrigatória uma vitória hoje para voltarmos ao G-4. Se Levir vai escalar o que tem de melhor, deve entrar com o garoto Dodô no lugar do ainda suspenso Tardelli. Nos últimos dois jogos do Brasileirão, Dodô foi destaque e agora merece estar entre os titulares. Então, bora lá, Galão, depenar mais uma vez esse urubuzinho medroso. Um abraço ao Walison do Escolar, do Salgado Filho, gente boa demais!

 

A voz Celeste

Saudações celestes, nação azul. A temporada vai se aproximando do fim, e meu coração celeste já bate mais forte. A possibilidade de levantar dois títulos me deixa extremamente ansioso. Além das duas taças seguidas de grande expressão, para quem não sabe, isso aconteceu com a Supercopa dos Campeões da Copa Libertadores, competição que ganhamos em 91 e 92. Eu me lembro bem da primeira conquista, perdemos de dois na Argentina, para o poderoso River Plate, em um jogo muito duro, cheio de catimbas e pancadaria. Porém, na Toca 3, a coisa mudou de figura. Eu estava lá no dia, eu vi Ademir subir no terceiro andar e abrir o marcador e a porteira. Historicamente, o Cruzeiro cresceu nas decisões exatamente quando todos duvidavam. Em momentos como este de agora que conseguimos reverter a desvantagem. Primeiro é fechar o tetra, depois buscar o penta! 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave