Marta volta ao Senado e diz que críticas a Dilma são 'página virada'

"Estou entrando no Senado para exercer meu mandato, não vou ficar falando dessas coisas", disse ao ser questionada sobre as críticas à política econômica

iG Minas Gerais | Folhapress |

Fomento. Além de participarem da Lei Rouanet, profissionais do campo receberão verbas diretas do Governo em 2014
Sérgio Castro/AE
Fomento. Além de participarem da Lei Rouanet, profissionais do campo receberão verbas diretas do Governo em 2014

Depois de deixar o governo criticando a presidente Dilma Rousseff e a política econômica, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) reassumiu nesta terça-feira (18) seu mandato no Senado e disse que o episódio de mal estar com o Palácio do Planalto é "página virada".

"Isso é página virada, você acha que vou ficar falando disso? Estou entrando no Senado para exercer meu mandato, não vou ficar falando dessas coisas", disse ao ser questionada por jornalistas sobre as críticas a Dilma.

Marta disse que vai trabalhar em defesa do Brasil e da democracia, mas demorou mais de cinco segundos em silêncio antes de afirmar que também defenderia o governo federal em seu mandato. "O Senado é a grande Casa de debates, vamos aqui ter que defender... [silêncio] o governo brasileiro, o Brasil e a democracia. É isso que venho muito entusiasmada."

A petista prometeu fazer um discurso esta tarde no plenário para falar sobre seu retorno ao Legislativo após mais de dois anos no Ministério da Cultura.

Marta defendeu a nova etapa da operação Lava Jato, da Polícia Federal, que prendeu empreiteiros envolvidos no esquema de corrupção na estatal.

Para a petista, a operação é um marco na história do país porque, pela primeira vez, levou corruptores para a cadeia. "Isso é um grande avanço para a democracia no Brasil."

Ministério

Marta deixou o governo na semana passada (11) com uma carta de demissão em que fazia críticas à presidente Dilma Rousseff ao desejar que ela fosse "iluminada" na escolha de uma nova equipe econômica "independente", que resgatasse a confiança e a credibilidade do governo.

Leia tudo sobre: Marta SuplicySenadoministérioDilma Rousseff