Autoridades do Mali colocam quase 600 pessoas sob vigilância

País quer prevenir que casos isolados se transformem numa crise de grandes proporções depois da morte de uma autoridade religiosa muçulmana guineense e da enfermeira do Mali que o tratou na capital, Bamaco

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O receio de um surto de ebola no Mali levou as autoridades a colocar quase 600 pessoas sob vigilância, no momento em que o país luta para conter o vírus. Os dirigentes reuniram-se nessa segunda-feira (17) para discutir o aumento das medidas de segurança nas fronteiras depois de terem sido confirmados dois novos casos de ebola na vizinha Guiné-Conacri.

O Mali quer prevenir que casos isolados se transformem numa crise de grandes proporções depois da morte de uma autoridade religiosa muçulmana guineense e da enfermeira do Mali que o tratou na capital, Bamaco.

Um amigo que visitou o religioso na clínica também morreu, provavelmente de ebola. Uma criança de dois anos também morreu de ebola no mês passado, na cidade de Kayes.

Em visita à vila onde vivia o religioso, perto da fronteira com a Guiné-Conacri, o presidente Ibrahim Boubacar Keita apelou aos habitantes para tomem todas as precauções na luta contra o ebola.

O ministro da Saúde, Ousmane Kone, que acompanhou o presidente na viagem, disse que "577 pessoas estavam sob vigilância diária", mais do que no último domingo, quando 442 pessoas estavam sendo monitoradas.

Leia tudo sobre: MaliÁfricaMundovigilânciaepidemiavírusSaúde