Receita de serviços cresce 6,4% sem recuperar nível do início do ano

No acumulado do ano, a receita do setor aumentou 6,6% e, em 12 meses, 7,1%; resultado foi superior ao observado em agosto, quando a receita teve alta de 4,5% -o pior resultado para o mês desde 2012

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A receita do setor de serviços registrou no país crescimento nominal de 6,4% em setembro, na comparação com o mesmo período do ano passado, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (18) em sua Pesquisa Mensal de Serviços (PMS). O resultado foi superior ao observado em agosto, quando a receita teve alta de 4,5% -o pior resultado para o mês desde 2012.

No acumulado do ano, a receita do setor aumentou 6,6% e, em 12 meses, 7,1%.

Os serviços começaram o ano em alta de 9,2% em janeiro, aceleraram em fevereiro em 10,1% e iniciaram trajetória de desaceleração em março, quando o percentual de crescimento foi para 6,8%.

A partir daí, oscilaram em abril e maio, com altas, respectivamente, de 6,2% e 6,6%, e voltaram a patamar mais baixo, com altas de 5,8%, 4,6% e 4,5% em junho, julho e agosto, respectivamente. Em setembro, a taxa recuperou e voltou aos patamares do início do segundo trimestre.

Divisões

De acordo com a PMS, a receita dos serviços prestados às famílias registrou crescimento de 7,7% em setembro, o que não superou a alta registrada em agosto, de 9%; a dos serviços profissionais, administrativos e complementares aumentou 11,1% contra 7,9% em agosto; a dos transportes e correios subiu 6,5%, ante 3,2% no mês anterior.

A receita nominal dos serviços de informação e comunicação subiu de 2,7% no período, acima do número de agosto (1,7%) e de outros serviços aumentou 9%. Em agosto, o último segmento havia crescido 10,6%.

A PMS investiga o setor de serviços formais no país, abrangendo as atividades do segmento empresarial não financeiro, exceto os setores da saúde, educação, administração pública e aluguel imputado (valor que os proprietários teriam direito de receber se alugassem os imóveis onde moram).

Leia tudo sobre: IBGEBrasilEconomiaReceita de serviçosPMSSetembroPesquisa