Aleijadinho para sempre

Comemorações do bicentenário de morte do mestre do gênero são realizadas em seis diferentes cidades do Estado

iG Minas Gerais | gustavo rocha |

Dois meses. Foi o tempo gasto pelo artista Carlos Bracher para produzir a série de quadros e telas inspirados em Aleijadinho e sua obra
Frederico Torres
Dois meses. Foi o tempo gasto pelo artista Carlos Bracher para produzir a série de quadros e telas inspirados em Aleijadinho e sua obra

Um artista da magnitude de Antônio Francisco Lisboa – ou mais popularmente, Aleijadinho – não poderia ter aquém de sua grandeza as comemorações de seu bicentenário de morte, celebrado hoje. Com isso, se espalham iniciativas como exposições, lançamentos de livros, filmes e outras ações que trazem à tona, cada uma a sua maneira, os traços marcantes do artista Aleijadinho e do homem Antônio Francisco.

Hoje, no Dia do Barroco Mineiro, haverá em Ouro Preto, às 19h, na igreja São Francisco de Assis, haverá entrega da Medalha do Aleijadinho, solenidade que será precedida por missa solene e que contará com descerramento da placa em homenagem ao mestre do Barroco.

Também em Ouro Preto, hoje, ao meio-dia, sinos das igrejas da cidade irão dobrar em homenagem a Aleijadinho. Segundo a Associação dos Sineiros de Ouro Preto, realizadora do ato, serão 46 sinos de 12 igrejas tocando ao mesmo tempo.

Em virtude da data comemorativa, a semana, organizada pelo Museu do Aleijadinho, extrapola Ouro Preto e passeia por outras cidades mineiras, muitas delas, fundamentais para Aleijadinho como Congonhas e São João del Rei. E também Mariana, Tiradentes e Belo Horizonte.

As ações da programação, que vai até o fim de novembro, se concentram em cinco atrações que dialogam entre si e tentam aproximar o público leigo da obra do mestre do Barroco.

O documentário “Nos Passos de Aleijadinho”, de Fred Tonucci e Leonardo Good God, o livro “Aleijadinho - 200 anos”, de Paulo Lemos, a apresentação da orquestra mineira barroca, um seminário com estudiosos que falaram sobre aspectos curiosos e apreciarão o conjunto de obras de Aleijadinho e, finalmente, a exposição do artista Carlos Bracher, “Aleijadinho 200 anos: Tributo de Bracher” com mais de 80 telas e aquarelas inspiradas no mestre do Barroco mineiro.

“As pessoas vão poder conhecer algumas coisas que até então nunca foram reveladas a respeito da obra de Aleijadinho e também de sua vida”, comenta Joana Coelho, diretora da Claquete Produções, responsável pela programação oficial da semana.

Não seria a programação muito rebuscada e acessível apenas a um público “iniciado” na obra e no universo barroco de Aleijadinho? “Não! Eu considero a programação muito acessível a toda a população. É bastante didática. O seminário é composto por estudiosos, mas ele é para quem quiser ir, é aberto ao público”, garante a produtora. "Eu mesma conhecia muito menos da obra e da história de Aleijadinho e essa imersão de produzir esse programação me faz conhecer muito mais. É um artista extraordinário”.

Um dos pontos destacados na atual Semana do Aleijadinho é que sua programação dialoga entre si (para além, claro, de versarem sobre o mesmo assunto). As filmagens de “Nos Passos de Aleijadinho”, por exemplo, acompanharam o processo de pintura dos quadros de Carlos Bracher, durante o período em que o artista viajou pelas cidades por onde Aleijadinho passou e desenvolveu seu trabalho influenciado pela obra do mestre barroco.

Bracher o produziu em pouquíssimo tempo uma série de quadros e telas inspiradas na obra de Aleijadinho para a comemoração de seu bicentenário de morte. Morador de Ouro Preto há 43 anos, o artista crê que seu trabalho tenha sido paulatinamente influenciado pela atmosfera ouropretana e também pelos rastros que o Mestre do Barroco deixou pela cidade.

“Certamente, esse convívio de mais quatro décadas vai se assimilando no dia a dia e o fato de viver há tanto tempo em uma cidade como Ouro Preto facilitou essa compreensão da importância da obra dele. Cada vez mais, eu fico impressionado com sua grandeza. É de fato, um grande mestre”, comenta Bracher.

Em BH

Hoje. Reunião Especial de Plenário da Assembleia Legislativa de Minas, às 20h, terá lançamento de medalha comemorativa do Bicentenário de Morte de Aleijadinho, e lançamento do livro “Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho: Artista Síntese”, da historiadora Cristina Ávila e do fotógrafo Márcio Carvalho.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave