‘Rede é projeto sem futuro’, diz ex-apoiador em Minas

Apolo Heringer diz que Marina tem predileção por "culto à personalidade" e não quer outras lideranças no país

iG Minas Gerais | Lucas Ragazzi * |

Apolo Heringer
Alex de Jesus
Apolo Heringer
Apolo Heringer, professor, ambientalista e ex-liderança da Rede Sustentabilidade em Minas Gerais é um pote cheio de mágoas com sua “ex-futura legenda”. Depois de ser lançado como pré-candidato do PSB (via Rede) ao governo do Estado e ver o projeto naufragar por decisão partidária, ele não esconde a frustração e a posição crítica em relação a Marina Silva, idealizadora do partido.  Heringer se sente traído especialmente pela ex-ministra, a quem acusa de ter lhe dado uma facada nas costas. Diante de tão grande revolta, responde rápido ao ser perguntado sobre o que esperar daquele futuro partido. “É um projeto sem futuro. A Rede caminha para o colapso”, avaliou em conversa com o Aparte. Os principais motivos estão, segundo ele, no perfil de Marina, a quem considera uma pessoa que tem predileção pelo “culto à personalidade”. “Ela não quer que exista outra liderança na Rede, para que não a ofusque”, ataca. Apolo mudou sua visão sobre Marina após ouvir de membros do PSB, ao qual ambos estavam filiados, que o então presidente da legenda, Eduardo Campos, era favorável à sua candidatura e foi Marina quem colocou restrições à ideia, lançando Tarcísio Delgado em seu lugar.  Em busca de 32 mil assinaturas restantes para buscar o registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a Rede tem reunião na próxima sexta-feira para discutir os próximos passos na construção do partido, segundo Walter Feldman, uma de suas principais lideranças. Será um encontro decisivo após a Rede ter sofrido certa desarticulação com a derrota dura de Marina.   * Com supervisão de Ricardo Corrêa

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave