Governo está 'tranquilíssimo' com investigações, diz Temer

Vice-presidente afirmou nesta segunda (17) que as operações da PF não afetarão as obras em andamento no país sob responsabilidade das empreiteiras envolvidas

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

JOSÉ CRUZ/O TEMPO
undefined

O presidente interino Michel Temer, afirmou nesta segunda-feira (17) que o governo está "tranquilíssimo" com as recentes investigações da Operação Lava Jato e que as prisões de presidentes das empreiteiras não podem ser usadas para paralisar as obras contratadas junto ao governo federal.

"Tranquilíssimo. Não apenas tranquilo como incentivando [as investigações]", disse Temer ao sair do seminário pelo Pacto da Boa Governança, promovido pelo Tribunal de Contas da União, em Brasília. Você sabe que tem a competência da Polícia Federal de um lado, o Ministério Público de outro, e o Congresso Nacional fazendo sua parte com a CPI, de modo que o governo está tranquilíssimo. Todas as palavras da presidenta e de todos os órgãos do governo são no sentido de incentivar as investigações", acrescentou.

Para Temer, as recentes investigações não comprometerão a gestão da presidente da Petrobras, Graça Foster, e não devem ser motivo para paralisar as obras em andamento sob responsabilidade das empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção.

No entanto, o vice-presidente indicou que a presidente Dilma Rousseff pode mudar a diretoria da estatal, inclusive demitindo a presidente Graça Foster. "Certamente Dilma fará deliberações sobre isso no final do ano em relação a essa matéria", disse.

Segundo Temer, o que pode acontecer daqui para frente é uma repactuação nos contratos das grandes obras no país. Isso significaria reavaliar os contratos e identificar o que foi pago a mais. As empresas teriam que devolver o montante para o governo mas poderiam continuar administrando as obras.

"O que eu penso é que pode haver ou uma repactuação para eliminar os eventuais exageros ou em segundo ponto é que eventual inidoneidades se deem em relação ao contrato atualmente existente", disse.

A ideia foi defendida também pelo presidente do Tribunal de Contas da União, Augusto Nardes. Para ele, a paralisação das obras geraria mais prejuízos para o país. "Parar obras gera desemprego. Temos que ter um cuidado muito grande. Repactuar esses contratos seria o caminho ideal e falei sobre isso com o Michel Temer, que reagiu de forma positiva.

Também presidente nacional do PMDB, Temer voltou a negar que Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, seja o operador do partido no esquema articulado dentro da Petrobras.

"Ele não tinha relação nenhuma com o PMDB. Ele pode ter relação eventualmente com um ou outro membro do PMDB mas institucionalmente jamais houve qualquer operador do partido", disse.

A Polícia Federal apura a ligação de Fernando Soares com a Transpetro, subsidiária da empresa estatal no setor de navios. O suposto operador teve a prisão decretada, mas está foragido.

Boa governança

Durante um breve discurso feito na abertura do seminário pelo "Pacto pela Boa Governança", evento realizado pelo TCU em Brasília, Temer afirmou que a oposição precisa ajudar a governar o país. "No Estado democrático situação e oposição convivem para a busca do bem comum. Em um Estado democrático a oposição muito adequadamente ajuda a governar", disse.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave