Papa diz que não existe modelo único de relação entre homem e mulher

Francisco disse ainda que todas as crianças têm o direito de "crescer com um pai e uma mãe capazes de criar um ambiente idôneo para o desenvolvimento e amadurecimento afetivos"

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Francisco é o 1º papa a visitar uma igreja evangélica pentecostal
Francisco é o 1º papa a visitar uma igreja evangélica pentecostal

Durante a abertura da reunião religiosa "A complementaridade entre homem e mulher" nesta segunda-feira (17), o papa Francisco afirmou que não se deve reduzir as relações entre homens e mulheres a "um modelo único e simplista".

"Quando falamos em complementaridade entre homem e mulher, neste contexto [de família] não devemos confundir tal terminação com a ideia simplista que todas as funções e as relações entre ambos os sexos estão confinados a um modelo único e estático", disse o papa de acordo com a Rádio Vaticano.

Segundo o líder da Igreja Católica, esse relacionamento "assume muitas formas porque cada homem e cada mulher trazem consigo sua própria contribuição pessoal ao matrimônio e à educação dos filhos".

Ainda na abertura, ele afirmou que essa riqueza de diferenças "não é só um bem, mas também uma beleza".

O papa disse ainda que todas as crianças têm o direito de "crescer com um pai e uma mãe capazes de criar um ambiente idôneo para o desenvolvimento e amadurecimento afetivos". Por causa disso, o matrimônio é "fundamental" para que a sociedade seja estável e traga benefícios a todos.

Falando aos católicos, o papa fez um apelo para que todos se empenhem em ser solidários, fieis e terem um amor fecundo para fazer com que a sociedade e as famílias sejam melhores. Ele ainda pediu uma oração especial para o jovens "que representam o futuro".

"É preciso que não deixem que eles se envolvam com uma mentalidade danosa do provisório. Que eles sejam revolucionários pela coragem de criar um amor forte e duradouro, que ande contra a corrente. É isso que precisa ser feito", disse.

O pontífice voltou a criticar a cultura de descarte da sociedade moderna, dizendo que as famílias estão em crise porque "vivemos na cultura do provisório". Ele afirmou que a "mudança" nas roupas e na moral trouxe mais liberdade às pessoas, mas "trouxe uma devastação espiritual e material a inúmeros seres humanos, especialmente os mais vulneráveis".

Ao finalizar seu discurso, Francisco afirmou que "o declínio da cultura do matrimônio está associado ao aumento da pobreza e de inúmeros problemas sociais" e que é preciso "insistir que as pilastras fundamentais que mantêm uma nação são os seus bens imateriais".

Viagem aos EUA

O papa anunciou nesta segunda que visitará os Estados Unidos no próximo ano. Será sua primeira viagem ao país.

Francisco participará do Encontro Mundial de Famílias, na Filadélfia, em setembro.

É provável que o papa visite também a capital Washington e Nova York, mas isso não foi confirmado.

Leia tudo sobre: PapaMatrimônioFranciscoHomemMulherVaticanoReligiãoMundoIgreja CatólicaCasamento