Renault Fluence ganha visual atualizado

Marca francesa atualiza imagem e incorpora tecnologias para seu modelo ganhar destaque entre os sedãs médios

iG Minas Gerais | Márcio Maio |

Linha 2015 do Renault Fluence
Renault/Divulgação
Linha 2015 do Renault Fluence

As vendas de sedãs médios, que representam 8% do mercado brasileiro de automóveis, podem ser divididas em três partes de tamanhos similares: Toyota Corolla, Honda Civic e o resto. Nesse resto estão uma dezena de modelos, muitos com função de “topo de linha” de marcas generalistas. Entre eles, Chevrolet Cruze – que chega renovado em dezembro –, Ford Focus, Nissan Sentra, Volkswagen Jetta, Citroën C4 Lounge, Peugeot 408 e Renault Fluence.

Para tentar se destacar desse grupo e se aproximar dos líderes, a marca do losango começa a vender em dezembro o modelo 2015 de seu sedã. O novo Fluence incorpora o design frontal característico dos Renault mais recentes e também equipamentos de conectividade mais modernos e funcionais. Com esses ajustes, a marca planeja retomar o patamar de 1.100 unidades vendidas mensalmente em 2013 – e até superá-lo. Em 2014, as vendas despencaram para 400 emplacamentos/mês.

Se conseguir voltar à faixa acima das mil unidades mensais, o Fluence retorna à briga pela terceira posição no segmento.

Renovação

Em termos estéticos, o novo Fluence traz poucas mudanças em relação ao anterior. A grade segue o estilo atual da Renault, com o losango mais proeminente. O para-choque ganhou um filete de LEDs com luzes diurnas. Os LEDs aparecem nas luzes de setas, na carenagem dos retrovisores e, na versão Privilège, também nas lanternas traseiras. E as rodas ganharam novos desenhos. Externamente é só.

No interior, os bancos em couro ganharam acabamento que remete ao estilo “capitonê”, para aumentar a percepção de sofisticação. Mas as mudanças mais notáveis estão à frente do motorista. O painel digital que equipava a versão GT agora é padrão em toda a linha Fluence. Porém o inegável destaque do habitáculo é o novo sistema multimídia R-Lynk, com GPS integrado. A tela agora é sensível ao toque, e o sistema incorpora comandos de voz para o telefone e Eco Drive, que atribui pontos conforme a condução.

Mecânica

O motor permanece exatamente o mesmo do modelo anterior – 2.0 16V Hi-Flex com 140 cv – gasolina – e 143 cv – etanol – a 6.000 rpm e 19,9 kgfm a 20,3 kgfm de torque, sempre a 3.750 giros. Juntamente com o câmbio CVT X-Tronic, repete o mesmo trem de força adotado no Nissan Sentra. Até o datado tanquinho de gasolina para partida a frio nos motores flex, já abolido nos propulsores mais recentes, permanece sob o capô do Fluence. Também não houve alterações na suspensão.

Preços

O Fluence Dynamique manual custa os mesmos R$ 66.890 e a com CVT ficou em idênticos R$ 71.890. A nova versão Dynamique CVT Plus, que incorpora multimídia e bancos em couro, sai por R$ 74.890. A top Privilège fica em R$ 82.990 e transformou em itens de série os opcionais do modelo anterior, como teto solar e faróis de xenônio. A versão GT ficou para depois, mas chega em breve. Com a renovação do Fluence, a Renault espera que seu sedã médio se firme na memória do consumidor como uma opção atraente. E consiga arrebatar uma das posições mais duramente disputadas do mercado brasileiro: o de terceiro sedã médio mais vendido do país. 

Leia tudo sobre: sedã médioRenaultFluencerenovadoface-liftlançamentolinha 2015