Diferentes focos na telinha

Emissoras apostam em dramaturgia e na linha de shows na grade de programação para celebrar o fim do ano

iG Minas Gerais | anna bittencourt |

CZN
undefined

O fim do ano é uma época de nostalgia. O olhar para trás e a reflexão sobre o que vem no próximo são comuns e ficam mais evidentes à medida em que os dias de dezembro vão avançando. Na TV, não é diferente. Com programas já habituais na grade e tentativas de emplacar um novo produto ou formato, as emissoras vão preenchendo as lacunas deixadas pelas férias da programação fixa.

Apesar de vir de um ano fraco em números e audiência, em tramas como “Pecado Mortal” e “Vitória”, a Record segue apostando na teledramaturgia para seus especiais de fim de ano. Com uma pegada mais popular, a Globo repete o já batido especial “Roberto Carlos” e se volta para uma linha mais jovem e musical. Já o SBT não arrisca: segue com as atenções voltadas para o público infantil. Rede TV! e Band, por outro lado, não parecem muito empolgadas para testar novidades. “É uma boa época para ousar e avaliar produtos. Algumas coisas são encomendadas de acordo com o período, mas estamos livres para oferecer novas ideias”, explica Maurício Farias, diretor de núcleo da Globo, responsável por “Tapas & Beijos” e por supervisionar alguns dos especiais da emissora.

Cada vez mais íntima da teledramaturgia, a Record preparou cinco especiais para a reta final de 2014. Previsto para ir ao ar no dia 12 de dezembro, “O Manual Prático da Terceira Idade”, conta a história de quatro senhoras que deixam uma casa de repouso para ir em busca dos sonhos. Além dele, “Marluce e Marcelly”, protagonizado por Angelina Muniz e Laís Said, é exibido no dia 19. Na última semana do ano, no dia 26, “O Amor Custa Caro”, telefilme de Renê Belmonte, vai ao ar. O especial é protagonizado por Luiza Curvo, Pedro Cassiano e Guilherme Duarte. Também na onda dos produtos que enfrentaram uma fila para ir ao ar está “Conselho Tutelar”. Pronta desde o primeiro semestre, a microssérie de cinco capítulos, protagonizada por Roberto Bomtempo, dá início à programação de fim de ano da emissora e estreia no dia 1º de dezembro. “É uma história densa, mas boa de contar. E esse formato menor, com uma produtora de fora, é muito estimulante, dá um frescor”, opina Cássia Linhares, que também integra o elenco.

Na contramão do excesso de teledramaturgia que domina a sua grade, a Globo não fez grandes apostas para o fim deste ano. Em outras épocas, novos formatos, como o telefilme “Doce de Mãe”, renderam uma série para o ano seguinte. E programas como o “Divertics” foram testados, porém, sem sucesso. Neste ano, a emissora repete o que foi feito no último. E deixa de lado a dramaturgia para focar em um lado mais jovem e comercial. “Didi e O Segredo dos Anjos” é a única exceção. Gravado para ser exibido no Dia das Crianças, em outubro, o especial acabou sendo empurrado para o dia 21 de dezembro. Com Lima Duarte, Mel Maia e Fernanda Vasconcellos no elenco, o filme de Renato Aragão é uma repetição de outros já feitos pelo ex-trapalhão. “Nós quisemos optar pelo lúdico. Falar das relações humanas, fé e esperança nessa época tão significativa”, justifica Marcelo Saback, que assina a redação-final.

Já o SBT optou por não arriscar. Ainda sem data definida, as produções infantis “Chiquititas” e “Patrulha Salvadora”, carro-chefe da emissora, terão episódios especiais para marcar o Natal e o Ano Novo. A Band também aposta no seu maior sucesso, o “MasterChef”, para brindar as festas de fim de ano. Na Globo, o enfadonho “Especial Roberto Carlos”, que vai ao ar dia 23, conta com uma novidade. A atriz Sophie Charlotte vai cantar, repetindo o feito de sua personagem Duda, na novela “O Rebu”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave