Ônibus é incendiado

Segundo PM, suspeitos estavam em uma moto; um deles jogou gasolina dentro do veículo e ateou fogo

iG Minas Gerais | José Augusto Alves |

Polícia ainda não tem pistas dos suspeitos de colocar fogo em ônibus no bairro Homero Gil
Ingred Oliveira/Divulgação
Polícia ainda não tem pistas dos suspeitos de colocar fogo em ônibus no bairro Homero Gil

A polícia ainda está à procura de dois homens suspeitos de colocar fogo em um ônibus no bairro Homero Gil, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte. O ataque aconteceu na tarde desse sábado (15). O ônibus, da linha 131 (centro – Cruzeiro do Sul), foi totalmente destruído pelo fogo. Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi ao local para debelar o incêndio. Segundo a Polícia Militar, os suspeitos estavam em uma moto. “De acordo com testemunhas, dois indivíduos chegaram em uma moto, e um deles desceu e mandou o ônibus parar. Ele entrou no veículo com um galão de gasolina e espalhou o combustível pelo ônibus, mandando os passageiros descerem. Depois, ateou fogo”, afirmou o tenente Fábio, da 188ª Cia., do 33º Batalhão de Polícia Militar.

Cerca de 15 pessoas estavam dentro do veículo, e, algumas delas, tiveram que sair até pela janela. “Segundo relatos, o homem que entrou no ônibus teria aproximadamente 23 anos e era de cor negra. Mas, devido à correria, não foi possível os passageiros caracterizarem melhor os suspeitos”, completou.

A placa da moto também não anotada. “A moto ficou parada um pouco distante do ônibus, o que dificultou ainda mais a identificação”, acrescentou.

A polícia ainda não sabe o motivo do crime, mas nenhuma hipótese está descartada, inclusive, a de uma suposta retaliação de criminosos. “Entretanto, não temos informações sobre o motivo que resultou nesse ataque”, ponderou o tenente Fábio.

A investigação do caso ficará a cargo da Polícia Civil. Nem o motorista nem representantes da Viação Santa Edwiges, empresa responsável pelo ônibus, quiseram comentar sobre o ocorrido. Muitos moradores da região foram até ao local do ataque. “Foi muita fumaça, um susto muito grande”, disse um deles.

Prejuízo

Além de o ônibus ficar totalmente destruído, uma loja, que vende roupas e brinquedos, também foi danificada pelo fogo. De acordo com o filho da proprietária do local, o farmacêutico Sérgio Formeli, no momento em que o incêndio começou havia uma funcionária dentro do estabelecimento. “Com o susto, ela fechou a porta, mas ficou lá dentro. Com a chegada da polícia, um militar abriu a loja e a tirou de lá. Ainda bem que ela não ficou ferida”, contou.

Segundo ele, vários objetos do local foram queimados. Além disso, outros produtos, principalmente as roupas, também foram afetados pela fumaça, ficando com mau cheiro. Ainda não se contabilizou o prejuízo. “O policial nos disse que a marquise foi comprometida. Agora, vamos esperar o trabalho da perícia para sabermos qual o real valor do prejuízo”, disse.

Apesar do susto, ninguém ficou ferido.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave