Morre Adib Jatene, médico e ex-ministro da Saúde

Adib Jatene, 85, será enterrado às 17h deste sábado (15) no Cemitério do Araçá, zona Oeste de São Paulo

iG Minas Gerais | Da Redação |

O médico e ex-ministro da Saúde, Adib Jatene, 85, morreu na noite dessa sexta-feira (14) em São Paulo, após passar mal. Ele foi levado ao Hospital do Coração (HCor), onde não resistiu. O cardiologista havia sido internado em setembro no hospital após sofrer um infarto agudo do miocárdio. Janete será enterrado às 17h deste sábado (15) no Cemitério do Araçá, zona Oeste de São Paulo.

Em maio de 2012, o médico já havia sido internado com dores no peito. À época, ele mesmo diagnosticou o próprio infarto e deu orientações sobre o seu tratamento. Passou por um cateterismo e precisou colocar um stent (prótese metálica para a desobstrução de artérias).

Diretor-geral do HCor e um dos pioneiros da cirurgia do coração no Brasil, Jatene tinha mais de 20 mil procedimentos em seu currículo. Foi o primeiro a realizar a cirurgia de ponte de safena no Brasil e inventou aparelhos e equipamentos médicos.

Filho de um seringueiro libanês e de uma dona de armarinho, era natural de Xapuri. Estudou na USP (Universidade de São Paulo) e aos 23 anos formou pela Faculdade de Medicina. A residência e pós-graduação foram feitas no Hospital das Clínicas da mesma faculdade.

Nunca se filiou a partidos, mas participou de várias gestões. Atuou como secretário estadual da Saúde de São Paulo (1979-1982), no governo de Paulo Maluf, e duas vezes como ministro, na mesma área, nas gestões Fernando Collor (1992, por oito meses) e Fernando Henrique Cardoso (1995-1996, por 22 meses). No governo de FHC, criou a CPMF (Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira), para ajudar a financiar a saúde brasileira.

Ano passado, chegou a presidir uma comissão de especialistas que ajudou o governo federal na formulação de projeto para mudanças no ensino médico, mas se afastou depois de o governo de Dilma Rousseff (PT) lançar, à revelia da comissão, o programa Mais Médicos.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Jatene criticou o fato de os programas de residência darem ênfase à alta tecnologia e especializações. "O médico precisa se transformar em um especialista de gente", disse ele à época.

Autor e co-autor de cerca de 700 trabalhos científicos publicados na literatura nacional e internacional, deixa a esposa Aurice Biscegli Jatene e quatro filhos - os médicos Ieda, Marcelo e Fábio, além da arquiteta Iara. 

Luto

O secretário de saúde do Estado de São Paulo, David Uip, lamentou a morte do médico e ex-ministro da Saúde Adib Jatene.

"A perda do professor e ministro Adib Jatene é motivo de absoluta tristeza. Eu era um admirador dele desde a época em que, além de dar aulas, mostrava o seu lado de homem de família que fazia questão de ver os jogos de vôlei em que eu e o seu filho, hoje o Doutor Fábio Jatene, participávamos no ABC paulista. Homem de princípios e sempre na vanguarda da defesa da saúde dos mais necessitados, o professor Adib foi fundamental para a consolidação do SUS em São Paulo e no Brasil. O Professor Adib nos ajudou muito como presidente do Conselho Superior de Gestão, cargo que o convidei para ocupar recentemente e que desempenhou com uma competência ímpar. A saúde pública está em luto", afirmou Uip, por meio de nota.

Frei Betto, em sua conta no Twitter, também lamentou a morte do cardiologista. "Lamento aqui a transvivenciação de dois amigos que tanto admiro: Leandro Konder e Adib Jatene. Deus os tenha em Seu amor de plenitude!", disse.

Políticos lembraram a trajetória do ex-ministro. "Adib Jatene, além de um grande cirurgião, foi um notável homem público. Homem honrado, fará muita falta", afirmou Geddel Vieira Lima (PMDB), em sua conta no microblog. 

Leia tudo sobre: cardiologistamédicoex-ministro da saúde