Lacerda prepara reforma para acomodar aliados na prefeitura

Prefeito pretende fundir secretarias e cortar cargos comissionados para marcar sua gestão

iG Minas Gerais | Isabella Lacerda |

Objetivo.Após turbulências no início do segundo mandato, prefeito quer marcar sua gestão com a diminuição de gastos com a estrutura da prefeitura
Lincon Zarbietti / O Tempo
Objetivo.Após turbulências no início do segundo mandato, prefeito quer marcar sua gestão com a diminuição de gastos com a estrutura da prefeitura

O prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), deve enviar no início do próximo ano à Câmara Municipal projeto de lei que propõe uma reforma administrativa no Executivo da capital. Segundo aliados do socialista, a ideia é reestruturar alguns setores da prefeitura, incluindo a junção de secretarias e a redução de cargos de gerência.

A proposta seria enviada ao Legislativo ainda neste ano, mas, devido às dificuldades para votação de matérias de interesse do Executivo que já estão em pauta – 19 no total –, o prefeito deve deixar a medida para o ano que vem.

A partir de janeiro e faltando menos de dois anos para a eleição municipal que irá definir o substituto de Lacerda, o socialista dará uma nova cara a sua administração. Além de querer deixar uma marca em seu governo, superando as polêmicas enfrentadas por ele nos últimos anos, o prefeito quer contemplar o PSDB, hoje principal partido aliado na capital.

Segundo o presidente municipal do PSB, João Marcos Lobo, a pretensão é “dar um gás novo” na reta final. “Vão ter ajustes de equipe e há um rascunho dessas mudanças, dessa nova estruturação. Até mesmo para poder reduzir os gastos, otimizar as contas”, confirma o correligionário de Lacerda, que ressalta que nenhum grande projeto deverá ser enviado para apreciação dos vereadores até o fim do ano devido ao impasse entre base e oposição na Casa.

Nessa nova estrutura administrativa, deve ocorrer a substituição de alguns nomes. Eles devem dar espaço a aliados do prefeito, incluindo os tucanos que perderão cargos a partir de janeiro no governo estadual, após a derrota para o PT.

Nessa lista, o PPS também deverá ser contemplado. E a beneficiada será a presidente do partido em Minas, Luzia Ferreira, que não conseguiu ser eleita para a Câmara Federal.

“Sabemos que a partir do próximo ano o prefeito vai assumir a postura de protagonista de seu mandato. Ele fazendo uma reforma administrativa, terá que passar pela Câmara. O PPS ainda não colocou em discussão espaços na administração”, ressalta o presidente do PPS da capital, vereador Ronaldo Gontijo.

No Legislativo, os vereadores já esperam o envio do projeto contendo a reforma administrativa no município. “Essa já é uma expectativa dos vereadores. Acreditamos que haverá aumento de algumas secretarias e a fusão de outras”, diz o secretário geral da Mesa, vereador Leonardo Mattos (PV).

É dúvida

Lista fechada. Os nomes de lideranças do PSDB que serão contemplados com cargos na refeitura ainda não estão fechados, apesar das especulações.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave