De ficção aos quadrinhos, leitores buscam diversidade

Inaugurado ontem, o evento deverá receber cerca de 250 mil visitantes durante os dez dias

iG Minas Gerais | Carlos Andrei Siquara |

Variedade de títulos atrai visitantes que miram diferentes temas
fotos: NIDIN SANCHES
Variedade de títulos atrai visitantes que miram diferentes temas

Em sua primeira visita a uma edição da Bienal do Livro de Minas, que começou ontem em Belo Horizonte, no Expominas, Charles Richard, 22, encontrou dois volumes do quadrinho desejado. “Eu fui em duas grandes livrarias da cidade, mas nenhuma tinha, eu só localizei na Internet. Mas aqui eu consegui esses dois volumes”, contou o estudante de história, satisfeito com o achado.

A professora Mirelle Bernardi, 35, frequentou o evento em todos os outros anos, e estava ontem no local. Como Richard, ela também ressalta a possibilidade de, naquele espaço, ter o prazer de folhear ou adquirir tudo o que gosta. “Na bienal, o que eu acho mais interessante é a diversidade. Mesmo numa livraria do tipo megastore não há essa variedade de publicações”, observa Mirelle.

Foi assim, com a presença de leitores de variadas idades, que aconteceu ontem a abertura da feira de livros, prevista para acontecer até o dia 23. Há ali um olhar para as diversas vertentes do mundo editorial, e chama a atenção a forte presença dos quadrinhos.

De acordo com Afonso Andrade, um dos curadores desse segmento na bienal, isso é, sobretudo, uma marca do projeto que é realizado em Belo Horizonte. “Em São Paulo e no Rio de Janeiro, onde há outras bienais do livro como esta, não há um espaço para os quadrinhos como este, em que são realizados bate-papos com autores e outras atrações, a exemplo do duelo entre quadrinistas, que começa a partir de quarta-feira”, afirma Afonso Andrade. “Isso é reflexo da importância que esse tipo de trabalho tem para a cidade”, acrescenta.

Ricardo Jorge Rodrigues, proprietário da Comix, maior estande focado nesse gênero, concorda com essa perspectiva. “Essa difusão dos quadrinhos também é um reflexo do mercado e do movimento da cultura pop atual. Se você observar os maiores sucessos de bilheteria dos cinemas de hoje, a grande maioria é inspirada em histórias que saíram desse universo”, pontua Rodrigues.

Ainda nesse nicho, um dos destaques de hoje é o encontro com Alexandre Beck, criador da tirinha “Armandinho”, bastante popular na internet.

Já no Café Literário, a dupla Adriana Calcanhotto e Gregório Duvivier promete um momento especial com a leitura de poemas. Há outras iniciativas que também devem despertar a atenção do público. O estande do Instituto Fernando Sabino é uma delas. Lá, está exposta a obra completa do autor.

Programe-se

Nos fins de semana a bienal do livro funciona das 10h às 22h. Durante a semana, das 9h às 22h. Ingressos: R$ 10 (inteira).

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave