Entenda o caso da Operação Lava Jato realizada pela Polícia Federal

PF realiza nesta sexta-feira (14) buscas em grandes empreiteiras e cumpriu 85 mandados de prisão ou de busca e apreensão contra executivos e outros investigados

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Em nova fase da Operação Lava Jato, que investiga esquema de lavagem e desvios de dinheiro, a Polícia Federal realiza nesta sexta-feira (14) buscas em grandes empreiteiras e cumpriu 85 mandados de prisão ou de busca e apreensão contra executivos e outros investigados.

A operação realizou mandados de busca e apreensão e prisões de executivos e empresários nas sedes das empresas Camargo Corrêa, OAS, Odebrechet, UTC, Queiroz Galvão, Engevix, Mendes Júnior, Galvão Engenharia e Iesa. As empresas envolvidas têm contratos de R$ 59 bilhões com a Petrobras.

A Justiça também decretou o bloqueio de R$ 720 milhões que pertencem a 36 executivos. Ao todo, 300 policiais participam da ação, que acontece em São Paulo, Paraná, Rio, Pernambuco, Minas e no Distrito Federal.

Segundo a PF, os envolvidos responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de organização criminosa, formação de cartel, corrupção, fraude à Lei de Licitações e lavagem de dinheiro.

Entenda o caso:

17.mar Polícia Federal deflagra a Operação Lava Jato em seis Estados e no DF. São apreendidos R$ 5 milhões em dinheiro, 25 carros de luxo, joias, quadros e armas. Dezessete pessoas são presas. Uma delas é Enivaldo Quadrado, condenado no mensalão. Suspeita é que esquema comandado por doleiros tenha movimentado ilegalmente cerca de R$ 10 bilhões

19.mar PF prende em flagrante a doleira Nelma Kodama, que carregava 200 mil euros na calcinha

20.mar Ex-diretor de abastecimento da Petrobras de 2004 a 2012, Paulo Roberto Costa é preso pela PF sob suspeita de destruir e ocultar documentos. Costa passou a ser investigado após ganhar, em março do ano passado, um carro de luxo do doleiro Alberto Youssef, apontado como um dos líderes do esquema. O ex-diretor alega ter recebido o jipe como pagamento por serviços de consultoria

22.mar Folha e S.Paulo revela que Youssef disse ter recebido 12 milhões da empreiteira Camargo Corrêa, sem detalhar se o valor era em dólar ou real. A informação constava de diálogo de 13.out.13 interceptado pela PF

25.mar Justiça prorroga a prisão de Paulo Roberto Costa com base em novas provas que o acusam de receber propina durante a construção da refinaria Abreu e Lima (PE), obra da Petrobras

27.mar Folha revela que um diretor do Ministério da Saúde, Eduardo Jorge Oliveira, é suspeito de ter ajudado a Labogen, empresa controlada por Youssef, a firmar uma parceria no valor de R$ 31 milhões com a pasta para produção de medicamentos. A parceria foi suspensa, sem que qualquer valor tivesse sido pago à Labogen, após o caso ser noticiado

1º.abr Folha revela que o então vice-presidente da Câmara, André Vargas (PT-PR), usou um jatinho emprestado por Youssef para fazer uma viagem de férias com a família. Na ocasião, Vargas afirmou ter pago pelo combustível

2.abr Em discurso no plenário da Câmara, Vargas muda sua versão sobre o uso do jatinho e diz que tentou pagar pelo serviço, mas descobriu que o avião havia sido fretado e por isso não teria como arcar com as despesas com combustível

3.abr Investigação da PF aponta que o contrato da Labogen com o Ministério da Saúde foi obtido graças à influência de Vargas, que teria atuado para favorecer negócios de Youssef. Na Câmara, o deputado explicou que apenas orientou o doleiro, como faz "normalmente" com quem o procura com projetos "viáveis e de interesse público"

5.abr Laudo da PF obtido pela Folha mostra que nove fornecedores da Petrobras depositaram R$ 34,7 milhões na conta de uma empresa de fachada controlada por Youssef. Parte desses fornecedores têm contratos na refinaria de Abreu e Lima (PE)

5.abr Revista "Veja" divulga conversa interceptada pela PF entre Vargas e Youssef na qual o deputado diz que ajudará o doleiro

7.abr Alegando ser vítima de um "massacre midiático", Vargas se licencia do mandato na Câmara

8.abr Folha revela que a Jaraguá Equipamentos, uma das empresas investigadas na Operação Lava Jato, doou R$ 4,5 milhões ao diretório nacional do PT entre 2010 e 2012

8.abr Em outro diálogo entre Vargas e Youssef interceptado pela PF, petista cobra do doleiro um pagamento para seu irmão, Milton. O deputado afirma que a cobrança se referia a uma prestação de serviços de tecnologia

9.abr Vargas renuncia ao cargo de vice-presidente da Câmara. Conselho de Ética da Casa abre processo de cassação contra o deputado

11.abr Em um desdobramento da Operação Lava Jato, PF amplia investigações sobre negócios suspeitos da Petrobras e faz operação de busca e apreensão na sede da estatal, no Rio

12.abr Planilha apreendida pela PF na casa de Paulo Roberto Costa levanta a suspeita de que ex-diretor intermediava repasses de empreiteiras para políticos

14.abr Folha revela que, em 2010, partidos da base aliada receberam 79% das doações de empresas citadas na planilha apreendida pela PF na casa de Paulo Roberto Costa

14.abr Para tentar evitar a cassação, Vargas anuncia que vai renunciar ao mandato, mas muda de ideia dois dias depois após saber que a renúncia não interromperia o processo já aberto pelo Conselho de Ética da Câmara

15.abr PF indicia Costa, Youssef e outros 44 na Operação Lava Jato

18.abr Planilha apreendida no escritório de Alberto Youssef registra o repasse de R$ 31 milhões por dois consórcios e uma empresa a firmas controladas pelo doleiro

23.abr Justiça aceita denúncia contra Youssef e sete investigados na Operação Lava Jato

25.abr Justiça aceita denúncia contra Paulo Roberto Costa por suspeitas de desvios de recursos da refinaria Abreu e Lima (PE)

25.abr Pressionado a renunciar ao mandato, André Vargas pede para se desfiliar do PT

5.mai Investigação da PF aponta que Youssef também fez favores a outro deputado federal, Luiz Argôlo (SDD-BA)

8.mai Justiça autoriza a quebra do sigilo bancário da Petrobras nas operações envolvendo contratos da refinaria Abreu e Lima. Há suspeita de desvios de verba pública. Também foi decretada quebra de sigilo de Paulo Roberto Costa

14.mai Após licença de um mês, Vargas reassume mandato na Câmara. Um dos motivos seria a necessidade de voltar a receber salário

14.mai Sob controle de aliados do Planalto, CPI da Petrobras é instalada no Senado

15.mai Conselho de Ética da Câmara instaura processos para cassar Luiz Argôlo (SDD-BA)

19.mai Por decisão do ministro Teori Zavascki, do STF (Supremo Tribunal Federal), Paulo Roberto Costa é solto

28.mai Após pressões da oposição, é criada a CPI mista (com participação de deputados e senadores) da Petrobras

10.jun Paulo Roberto Costa depõe na CPI do Senado e nega suspeitas de corrupção na estatal: "Repudio com veemência que a [Petrobras] era organização criminosa. [A Petrobras] não era balcão de negócios. Não existe lavagem de dinheiro da Petrobras"

11.jun Justiça volta a decretar a prisão de Paulo Roberto Costa por ele ter ocultado que controlava contas na Suíça com saldo de US$ 23 milhões. O dinheiro foi bloqueado pelas autoridades do país europeu

14.jun Empresas que têm contratos com a Petrobras, como a Sanko Sider e a OAS, fizeram depósitos em conta na Suíça controlada pelo doleiro Alberto Youssef, segundo documentos apreendidos pela PF

28.jun PF investiga empreiteiras que fizeram repasses a uma empresa de fachada de Youssef. A suspeita é de que os valores eram usados para pagamento de propina e tinham origem em contratos superfaturados na refinaria Abreu e Lima

3.jul Justiça encaminha ao STF provas encontradas na Operação Lava Jato que apontam relação entre Youssef e o senador Fernando Collor (PTB-AL), que teria recebido dinheiro do doleiro

15.jul Youssef vira réu numa nova ação penal, sob acusação de ter ajudado o deputado José Janene (PP-PR), réu do mensalão morto em 2010, a dar uma aparência legal a parte dos recursos que o parlamentar recebeu do esquema

25.jul Youssef sofre um infarto na prisão e é levado ao hospital, onde é internado na UTI

9.ago Em depoimento à PF, a contadora de Youssef, Meire Poza, afirmou que as empresas que pagavam por serviços de consultoria de firmas do doleiro sabiam que estavam contratando uma fraude. Meire também afirmou à PF que o deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) é sócio informal de Youssef

22.ago Após a PF fazer operações de busca em empresas de sua filha, Paulo Roberto Costa aceita fechar acordo de delação premiada com procuradores que atuam na Operação Lava Jato para deixar a prisão

6.set Em depoimento à Justiça, Paulo Roberto Costa afirma que 12 senadores, 49 deputados federais e pelo menos um governador receberam dinheiro desviado da estatal. O ex-diretor da Petrobras apontou políticos de três partidos: PT, PMDB e PP. Um dos citados no depoimento é o tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto

20.set Em depoimento à Justiça, Paulo Roberto Costa afirma que o esquema de desvios de recursos na estatal não era exclusividade de sua área, mas ocorria também em outras diretorias da empresa

23.set Alberto Youssef decide fazer acordo de delação para tentar abrandar sua situação na Justiça. Dois dias depois, em 25.set, presta seu primeiro depoimento

1º.out Como parte do acordo de delação premiada, Paulo Roberto Costa é solto e volta para sua casa no Rio, onde passa a cumprir prisão domiciliar

29.out Conselho de Ética aprova cassação de Luiz Argôlo (SDD-BA)  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave