Maia desiste, e PT adia nome

Sigla tenta encontrar candidato para enfrentar Eduardo Cunha (PMDB) na disputa pela presidência

iG Minas Gerais |

Cotado. Arlindo Chinaglia é o nome mais forte do PT para disputar a presidência da Câmara em 2015
:Gustavo Lima - Câmara dos Depu
Cotado. Arlindo Chinaglia é o nome mais forte do PT para disputar a presidência da Câmara em 2015

Brasília. O deputado federal Marco Maia (PT-RS) retirou seu nome da disputa pela presidência da Câmara. Ele enviou uma carta aos companheiros de bancada que se reuniram nesta quinta com ministros do governo Dilma Rousseff. Maia não compareceu porque caiu de moto e machucou o braço.  

Na reunião, o nome de Maia era um dos quatro listados para fazer frente à candidatura do peemedebista Eduardo Cunha (RJ), vista como “de oposição”, apesar de o PMDB ser da base aliada. Mesmo com a reunião, a bancada do PT não conseguiu chegar a um acordo para anunciar o nome que irá disputar a presidência da Câmara.

Com a desistência de Marco Maia, sobram na lista petista o ex-presidente da Câmara Arlindo Chinaglia (SP), o ex-prefeito de Belo Horizonte e ex-ministro Patrus Ananias e o ex-líder da bancada José Guimarães (CE). Chinaglia é o nome mais plausível, segundo fontes do partido, mas o PT cogita até apoiar um candidato de um outra legenda aliada caso ele reúna condições de derrotar Eduardo Cunha.

A ideia do partido é costurar um arco de alianças com as siglas da base e tentar isolar Cunha. Apesar de liderar a bancada peemedebista, o deputado não é bem visto pelo Palácio do Planalto pelo fato, entre outros, de ter liderado rebeliões no Congresso contra Dilma.

O Palácio do Planalto conta com a reforma ministerial para evitar que deputados do PR, do PP e do PSD embarquem no projeto do peemedebista. Além disso, lideranças do PT iniciaram conversas com o PTB e acreditam que é possível trazer ao menos parte dos petebistas para o candidato do governo. “Temos de agir e produzir um acordo em torno de um candidato. Essa fase é de sondagens”, argumentou Chinaglia.

“A bancada está cada vez mais convencida de que teremos uma candidatura nossa”, disse o líder do PT na Câmara, Vicentinho (SP). “Será uma candidatura para dialogar com as outras forças partidárias”, completou.

A data sobre quando o PT deve apresentar seu candidato ainda divide a bancada. Houve quem defendesse que um nome fosse ungido ainda nesta quinta, mas prevaleceu o entendimento, com o aval do Planalto, de que era melhor esperar para que o escolhido não virasse “vidraça”. A bancada petista deve propor seu candidato nos próximos 15 dias.

Cientes de que Cunha será um oponente duríssimo, a cúpula do partido trabalha para evitar brigas internas. Nesse sentido, Chinaglia é o favorito por ter bom trânsito nos demais partidos aliados e até na oposição. “Temos de buscar um pacto interno para não ter disputa e fazer uma concertação pela unidade”, disse o deputado Paulo Teixeira (SP).

Explanação

Ministros. Estiveram presentes à reunião da bancada do PT três ministros: Aloizio Mercadante (Casa Civil), Ricardo Berzoini (Relações Institucionais) e Gilberto Carvalho (Secretaria Geral).

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave